Menu
SADER_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Famasul pede ao governo flexibilização tributária sobre o milho

2 Jun 2010 - 09h55Por Fátima News com Assessoria

 

 

A Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul) e Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja) solicitaram ao Governador André Puccinelli a flexibilização tributária sobre o milho de modo a tornar atrativo às cerealistas os leilões do produto realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) no Estado. O pedido foi feito em reunião na manhã de hoje, na governadoria, e visa evitar que no próximo leilão se repita o resultado do último dia 27, quando das 80 mil toneladas de milho ofertadas apenas 13 mil foram vendidas, o pior resultado entre os cinco Estados participantes do certame.

 

Na reunião, André Puccinelli comunicou a decisão de praticar a equivalência de 40% de produto tributado para a comercialização nos leilões da Conab, via Prêmio de Escoamento de Produto (PEP). A equivalência significa o percentual sobre o qual será cobrado o imposto sobre o milho leiloado. Contrariando a Lei Kandir, que garante a isenção de tributos para produtos primários destinados à exportação, a legislação estadual em vigor prevê que para cada tonelada exportada, a mesma quantidade seja vendida no mercado interno. “É uma solução paliativa, para que o Estado não sucumba abrindo mão de tributos”, justificou o Governador.

 

Para o presidente da Famasul, Eduardo Corrêa Riedel, a prática fiscal não dá condições de preço para o produto de MS seja atrativo. “A competitividade de nosso produto deve ter igualdade de condições com relação aos outros estados”, enfatizou o dirigente.

 

Na quinta-feira, a Famasul entregou ao ministro da Agricultura, Wagner Rossi, a proposta de dividir o Estado em três regiões com valores distintos de prêmio - ou seja, o valor que o Governo Federal repassa aos compradores nos leilões via PEP. Atualmente, o valor do prêmio pago no Estado é um só, desconsiderando a logística necessária para escoamento do produto. Essa seria outra medida que visa tornar os arremates de MS atrativos às cerealistas.

 

Também presente na reunião, o superintendente da Conab no Estado, Sérgio Rios, disse que atualmente o Estado tem 800 mil toneladas de milho estocadas nos armazéns credenciados da companhia. Com a previsão de colheita estimada em 2,7 milhões de toneladas para a safrinha, a expectativa é de que cerca de um milhão de toneladas sejam leiloadas nos 11 leilões agendados, sendo que o próximo está previsto para 8 de junho, na próxima terça-feira. Além da presença de presidentes de sindicatos rurais, a reunião de hoje com o governador teve a participação dos deputados Zé Teixeira (DEM) e Reinaldo Azambuja (PSDB).

 

 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação