Menu
SADER_FULL
terça, 22 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Famasul assume coordenação da Câmara Setorial do Leite

9 Out 2004 - 08h39
 

“O cerrado vai ter um grande estouro na produção de leite. Nós não temos dúvida nenhuma que Mato Grosso do Sul vai crescer na produção leiteira como aconteceu com Goiás, por exemplo, desde que haja vontade política e vontade das instituições para isso” a previsão otimista é da economista Adriana Braga, consultora técnica da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul) e da Funar (Fundação Educacional para o Desenvolvimento Rural), que acaba de assumir a Coordenação a Câmara Setorial do Leite em Mato Grosso do Sul.

Adriana explica que pretende dar seqüência ao trabalho que já vinha sendo desenvolvido “com muita eficiência” pelo último coordenador, Edgar Pereira. “Dando seqüência a este trabalho, espero que consigamos implantar os dois grandes projetos, as duas bandeiras que carregamos que é o Conseleite e o Leite Legal.”

Para Adriana, o crescimento do leite em Mato Grosso do Sul vai acontecer de qualquer forma, e se houver interesse da classe política e de todas as entidades envolvidas na cadeia produtiva, como as federações e a indústria, esse crescimento será fortalecido e acontecerá de forma estruturada. Nesse sentido um dos maiores objetivos do trabalho da Câmara Setorial, segundo Adriana, é uma maior profissionalização da pecuária de leite em MS. “Isto é possível. Nós temos competitividade e logística, fazemos divisa com um grande centro consumidor que é São Paulo, e temos também condições de produzir um leite barato, sendo que nossa produção é basicamente à pasto”, observa.

À frente da Câmara Setorial desde o dia 5 deste mês, Adriana destaca que, entre os principais desafios estão a busca de um relacionamento melhor entre indústria e produtor, produção de um leite com qualidade em todo o Estado e principalmente, a busca da competitividade para o pequeno produtor. “Esse vai ser meu maior desafio, o pequeno produtor precisa se organizar através de associações e cooperativas, para que ele possa se tornar realmente competitivo e tenha condições de ter uma remuneração melhor com seu produto”, defende Adriana.

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação