Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 19 de agosto de 2019
SADER_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Faltam livros para ensinar a história dos negros

28 Set 2004 - 15h28
A falta de livros e material sobre a participação dos negros na construção e desenvolvimento do país é um dos obstáculos para o ensino da história e da cultura afro-brasileira nas escolas. A opinião é da professora Edriane Daher, que trabalha em uma escola pública no Distrito Federal que já está levando aos alunos da instituição a história dos negros no Brasil.

Para Edriane Daher, a maioria dos livros disponíveis traz somente personagens brancos. “A gente não tem material sobre o assunto. Até os livros de literatura têm ilustrações de pessoas brancas, com personagens brancos” reclama a professora.

A ministra Matilde Ribeiro, da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial, informou que a lei 10.639, de janeiro de 2003, que obriga o ensino da história e cultura afro-brasileira nos níveis fundamental e médio está em fase de implementação. “Nós estamos dando estímulos aos estados e municípios, realizando fóruns com representantes das secretarias de Educação e da comunidade para que a lei não seja apenas uma referência, mas uma medida adotada cotidianamente nas salas de aula", explica.

Ela informou ainda que, com o apoio do Ministério da Educação, estão sendo distribuídos os primeiros livros que tratam da realidade da população negra no Brasil. “Nós estamos entregando um kit com dez livros para as prefeituras e governos estaduais e por isso o material ainda não chegou às salas de aula”, afirma.

Segundo a ministra, novos livros estão sendo avaliados para que possam ser utilizados na sala de aula. ”Nem toda a produção didática que traz a história do povo negro no Brasil é considerada boa. Nós precisamos fazer uma seleção desse material. Estamos fazendo um trabalho de aproximação para dar uma visão política que seja de valorização da população negra” antecipa.

Para a ministra, a literatura disponível no sistema educacional reafirma a posição do negro como subserviente à escravidão. "Nós temos que trabalhar uma visão libertária, dando ao negro o direito à cidadania e ao usufruto do que ele produz no Brasil como qualquer outro cidadão".

A ministra lembra que o ensino da história e cultura afro-brasileira é um dos aspectos para garantir os direitos e a inclusão da população negra. “ É preciso também pensar em outras medidas como uma mudança mais ampla dos currículos escolares, a capacitação dos professores para entender melhor a dinâmica da população brasileira, além de aumentar o acesso da população negra a todas as políticas sociais implentadas no país", conclui.

 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINENSE DE CORAÇÃO
Após 30 anos dividindo palco, Erika Figueiredo aposta no solo e lança clipe, ASSISTA
SIAMESAS
Mulher dá à luz gêmeas siamesas de 3,700KG as duas
ACIDENTE DE TRABALHO
Homem morre ao ser puxado por colheitadeira quando fazia limpeza
TENTATIVA DE HOMICIDIO
Cansada de apanhar mulher desfere golpes de faca em companheiro
POLICIAIS CORRUPTOS
PMs são denunciados por ligação com tráfico; bandidos fizeram foto em caveirão
NOVELA GLOBAL
Camilo descobre segredo de Chiclete e Vivi em 'A dona do pedaço'
LIBERADO
PIS/Pasep para nascidos em agosto já está liberado
ALUCIENÓGENO
Video: Vovó fica doidona ao provar acidentalmente maconha do neto
TARADO AGIU NA IGREJA
Homem é preso após abusar de criança de 4 anos dentro de igreja
CRUELDADE
Adolescente que estava desaparecido foi brutalmente assassinado e queimado