Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 17 de dezembro de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Fábrica de Bolas Kagiva inicia construção esse mês em Vicentina

1 Set 2010 - 06h12Por Luiciano Lima / Fátima News

Os desportistas Vicentinenses e de toda região tem aprovado o desempenho da Bola de Futebol de Campo Kagiva. Em comemoração ao 23º aniversário de emancipação político-administrativa de Vicentina, o prefeito “Marquinhos do Dedé”, presenteou equipes de futebol de campo e futebol suíço atuantes em Vicentina com bolas Kagiva.

 

 

As bolas estão sendo utilizadas em toda região da Grande Dourados, visto que as equipes circulam a região realizando amistosos aos finais de semana e a aceitação da bola tem sido excelente, devido à maciez que ela proporciona com um peso na medida certa a bola alcança alta velocidade no chute ao gol, deixando os gols mais bonitos e elevando o nível de dificuldade dos goleiros.

 

 

Algumas Federações de Futsal, Beach Soccer, Society e Voleybol já utilizam a Kagiva como bola oficial em suas competições, por exemplo, no Futsal as Federações de Paraná, São Paulo, Pará, Maranhão e Rio de Janeiro utilizam Kagiva, no Beach Soccer a Federação do Espírito Santo, no Futebol Society a Federação do Paraná e no Voleybol a Federação de Roirama.

 

 

A Kagiva tem representação em vários Estados Brasileiros dentre eles São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Roraima, Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte e também alguns países como: Estados Unidos, México, Colômbia, Portugal, Armênia, Canadá, Uruguai e Itália.

 

 

O parque fabril da Kagiva está localizado na cidade de Marechal Cândido Rondon no Paraná, irá instalar uma filial a primeira da fábrica na cidade de Vicentina no Mato Grosso do Sul. No aniversário de Vicentina foi assinada a concessão de benefícios fiscais para a instalação da fábrica de bolas e materiais esportivos Mundi Mercantil Ltda.

 

 

De acordo com o proprietário da empresa, Darmes kagiva, a matriz que tem 20 anos está localizada no Paraná e o município de Vicentina contará com a primeira filial da fábrica. “Recebemos 90% de isenção do ICMS por um período de 15 anos e Vicentina também é um ponto estratégico de logística da unidade. Sem esses incentivos seria impossível trazer a filial para a cidade. Investir aqui será maravilhoso”, disse o proprietário.

 

 

Após reunião recente com os empresários, o prefeito Marquinhos do Dedé, anunciou que a construção da fábrica em Vicentina, vai ser iniciada agora em setembro. A fábrica vai ser construída na entrada de Vicentina, sentido Fátima do Sul, em terreno doado pela Prefeitura, a previsão que se tem é que em pleno funcionamento a fábrica deva gerar 500 empregos diretos e 400 indiretos. Hoje a matriz fabrica 20 mil bolas/dia, para a filial de Vicentina a previsão é de 25 mil bolas/dia.

 

 

“Dentre essas vagas de serviço a prioridade deva ser para as mulheres, por ser um serviço leve e delicado, elas se apresentam bem demonstrando fácil manuseio das máquinas, uma oportunidade para elas ampliarem o orçamento doméstico, melhorando a qualidade de vida de todos os membros das famílias vicentinenses.” Comentou Marquinhos do Dedé.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Sóstenes cometeu crime por amor a Luz
ABUSO SEXUAL
João de Deus se entrega para a polícia
ACIDENTE
Criança de dois anos se enforca com a alça da bolsa enquanto brincava em escola
CASO JOÃO DE DEUS
Marina Ruy Barbosa intervém no caso João de Deus e impede uma grande tragédia
PRISÃO DECRETADA
Justiça de Goiás decreta prisão de João de Deus
STARTUPS NO BRASIL JÁ É SUCESSO
O sucesso das startups no Brasil e algumas novas apostas no mercado
REVOLTANTE
Filha de João de Deus diz que foi abusada dos 10 aos 14 anos: 'Meu pai é um monstro'
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Robério beija Marcos Paulo e a agride ao descobrir que ela é trans
DESTAQUE MUNDIAL
Dois brasileiros estão no Top 50: melhores professores do mundo
JUSTIÇA - WHATSAPP
Administradora de grupo no WhatsApp, foi “condenada” á pagar 3 mil por discussão de membros