Menu
LIMIT ACADEMIA
sábado, 20 de abril de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Exploração de garimpo em área indígena será combatida

23 Set 2004 - 13h40
O governo quer combater a exploração do garimpo em terras indígenas. Para isso, instituiu um grupo operacional que, em 15 dias, deverá apresentar propostas para fiscalizar e garantir a adoção de medidas necessárias e cabíveis para coibir toda e qualquer exploração mineral em terras indígenas, em especial nas áreas Roosevelt, Parque Indígena Aripuanã, Serra Morena e Apiruanã, localizadas nos estados de Rondônia e Mato Grosso.

O grupo é constituído por três representantes do Ministério da Justiça – um da Polícia Federal, outro da Polícia Rodoviária Federal e mais um da Fundação Nacional do Índio (Funai) – além de um representante do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, do Ministério da Defesa e do Departamento Nacional de Produção Mineral do Ministério de Minas e Energia.

No início de abril, um conflito entre índios Cinta-Larga, da reserva Roosevelt, e garimpeiros resultou na morte de 29 pessoas na região. A terra indígena, que fica a 580 quilômetros de Porto Velho, possui uma das maiores reservas de diamante do mundo. O secretário-executivo do Ministério da Justiça, Luiz Paulo Barreto, disse que a exploração de minerais em reservas é proibida. “Enquanto não houver uma lei que regulamente a exploração mineral em terras indígenas, ela é proibida”, afirmou.

Segundo o secretário, a reserva é protegida hoje por 20 policiais federais, 20 policiais rodoviários federais e 10 policiais militares de Rondônia. Barreto afirmou que, se necessário, o efetivo poderá ser aumentado e, além disso, as Forças Armadas também poderão ser convocadas para garantir a segurança no local. “Vamos empreender esforços, colocar carros, talvez helicópteros, nós vamos manter um sistema de operação para impedir essa extração de diamantes da região”, ressaltou.

Hoje, a reserva Rooselvet é explorada, de forma ilegal, por garimpeiros da região e até pelos próprios índios. “Essa reserva está dentro de uma aldeia indígena e é objeto de depredação por todas as partes”, disse o secretário-executivo do ministério. “As informações que nós temos são de que muitos milhões de dólares têm saído de diamantes dessa região e indo direto para mãos de contrabandistas internacionais”, ressaltou.

Barreto informou ainda que a Fundação Nacional do Índio (Funai) recebeu R$ 3 milhões para a implantação de projetos na região, a fim de que os índios possam viver sem a extração do diamante. “A reserva de diamantes de Roosevelt deve ser preservada, deve ser explorada em prol da sociedade brasileira e não em prol de contrabandistas internacionais, como tem acontecido hoje”, completou.

O secretário disse ainda que as terras estão fechadas para o garimpo até que seja aprovado um projeto que regulamente a extração em terras indígenas. Atualmente, há um projeto de lei, no Congresso Nacional, que regulamenta a extração mineral nessas áreas. “Regulamentar de maneira inteligente, que preserve o interesse, o patrimônio e a cultura indígena, que preveja recomposição ambiental e que preveja que a União será a maior beneficiada desse subsolo que é uma das maiores riquezas nacionais e que nós não vamos permitir, o governo não vai autorizar que esses diamantes, que essa riqueza fique na mão de contrabandistas”, destacou.

De acordo com Luiz Paulo Barreto, a regulamentação prevê que os índios devem ser consultados e concordar com a exploração mineral nas terras. A partir daí, o Ministério da Justiça deve encaminhar ao Congresso Nacional pedido de autorização específica para aquela pesquisa ou lavra da jazida. Se o Congresso autorizar, o governo poderá abrir licitação. A empresa deverá pagar “royalties” ao governo pela exploração de diamantes, se comprometer com a recomposição ambiental e criar um fundo para os índios. “A idéia é fazer um sistema onde todos ganhem. Ganhe o estado brasileiro, ganhe a sociedade indígena, ganhe o meio ambiente, ganhe a preservação da cultura e dos costumes dos índios”, concluiu.
 
 
Agrolink

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - DICA AGÊNCIA ECO TOUR
Confira agora os 5 passeios mais românticos de Bonito (MS)
EM ÁUDIO VAZADO
Em áudio, Onyx diz que governo deu 'uma trava na Petrobras', caminhoneiros podem ficar sossegados
EMOÇÃO E RECOMEÇO
Mãe e filho se reencontram em hospital após desabamento de prédios
ACIDENTE FATAL
Três morrem em explosão provocada por vazamento de botijão de gás
NOVA PARALISAÇÃO
Ala dividida de caminhoneiros falam em greve no próximo dia 29 em todo o Brasil
CAMPO BELO RESORT - PARAÍSO É AQUI
Com noite Árabe e Italiana, PACOTE do dia 03 a 05 de maio já disponível para o Campo Belo Resort
NEGLIGÊNCIA FUNCIONAL
Menino de 12 anos foge de casa, burla esquema de segurança e embarca em avião
DEU RUIM
Vítima reage e mata assaltante que tentava roubar camioneta em Toledo – ASSISTA VÍDEO
PAI MONSTRO
Pai é preso suspeito de estuprar e engravidar a filha de 11 anos
15 METROS DE ALTURA
MILAGRE – Menina de um ano que caiu do 4º andar de prédio não sofreu nenhuma fratura