Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 14 de novembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
SICREDI_FATIMA
Brasil

Ex-prefeito de Coronel Sapucaia é condenado a 17 anos de prisão

11 Ago 2007 - 07h24
 

Após mais de 12 horas de julgamento, o ex-prefeito de Coronel Sapucaia, Eurico Mariano, foi condenado a 17 anos e 9 meses de prisão com início da pena em regime fechado pela acusação de ser o mandante do assassinado do radialista Samuel Roman, executado a tiros em abril de 2004, em Coronel Sapucaia, na fronteira com o Paraguai.

 

A sessão, que aconteceu com plenário lotado, no prédio do Tribunal do Júri, anexo ao Fórum da Comarca em Amambaí, e foi presidida pelo juiz de direito Dr. César de Souza Lima, terminou há pouco e os jurados acataram na íntegra a tese defendida pela acusação, ou seja, a acusação do MPE (Ministério Público Estadual).

No quesito onde se perguntava se ao mandar matar o radialista, Eurico Mariano teria contribuído para a morte da vítima, 5 dos jurados entenderam que sim e 2 votaram pelo não. Em outro quesito, este qualificador, onde perguntava se os assassinos teriam cometido o crime mediante pagamento, novamente 5 dos jurados decidiram pelo sim e 2 pelo não e em outra prerrogativa qualificadora onde se perguntava se a ação dos assassinos, segundo a denúncia, agindo em grupo e em ação planejada, teria dificultado a defesa da vítima os jurados responderam que sim por 6 a 1.

Em liberdade

 

Ao tomar conhecimento da sentença, a defesa do ex-prefeito apelou da decisão com pedido da anulação do julgamento, que será avaliado pelo TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) e por ter residência fixa e ter comparecido a todos os tramites do processo, Eurico Mariano ganhou o beneficio de aguardar a decisão do recurso em liberdade.

 

Segundo um dos advogados de defesa do ex-prefeito, Ricardo Trad, o recurso se baseia na anexação aos autos do processo, segundo ele, fora de prazo, de uma transcrição de uma gravação realizada pela polícia durante o inquérito policial que não havia sido anexada no inquérito quando relatado. Ricardo Trad protestou, também, contra um quesito colocado, segundo ele, de forma complexa aos jurados para a resposta na sala fechada, que poderia, segundo a defesa, ter confundido os jurados.

 

Para o MPE, autor da denúncia contra o ex-prefeito Eurico Mariano, o resultado foi satisfatório. Segundo o promotor de Justiça que atuou no Tribunal do Júri, Ricardo Rotunno, titular da 2ª Promotoria da Comarca de Amambai, os jurados acataram na íntegra a tese defendida pelo MPE e a Justiça foi feita. O promotor não se manifestou em relação à decisão do ex-prefeito aguardar o recurso em liberdade.
 
 
 
Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

ENCONTRO DE GOVERNADORES
Em encontro de governadores com Bolsonaro, Reinaldo defende fronteira e reajuste da tabela SUS
VIOLENCIA DOMESTICA
Homem é esfaqueado por esposa que tem ciumes até da sombra
ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto
TRAGEDIA
Ex-prefeito é morto pelo pai após ser confundido com assaltante
ACIDENTE DE TRANSITO
Caminhão passa por cima de veículos e explode em grave acidente
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Marilda (Letícia Spiller) é flagrada nua e finge ser uma assombração
BNDS
“Se não abrir a caixa preta do BNDES, está fora!”, diz Bolsonaro sobre Levy
FAMOSIDADES
Susana Vieira está com leucemia, mas a doença está controlado, diz assessoria
NOVELA GLOBAL
Marina Ruy Barbosa é a heroína de 'O sétimo guardião': 'Luz foge do tradicional'
CONSTRANGIMENTO
Claudia Leitte quebra silêncio e desabafa sobre polêmica com Silvio Santos