Menu
LIMIT ACADEMIA
sexta, 22 de fevereiro de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Estudo inédito desvenda atuação de proteína em células cancerígenas

8 Nov 2010 - 09h12Por Jornal da Unicamp

Estudo inédito sobre a atuação da proteína ARHGAP21 em células de câncer de próstata e endoteliais normais, realizado pela bióloga Mariana Lazarini, apontou que se trata de uma possível molécula alvo para o tratamento de tumores, cujo crescimento anormal, incontrolado e progressivo de tecido se dá por rápida proliferação celular.

A pesquisa foi conduzida no Laboratório de Bioquímica, Biologia Molecular e Celular, pertencente ao Hemocentro da Unicamp, sob a orientação da professora Sara Saad, diretora da Divisão de Hematologia e supervisora do Laboratório.

A pesquisa resultou ainda na tese de doutorado de Lazarini, defendida na Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp.

A pesquisadora esclareceu que o gene ARHGAP21 foi sequenciado e descrito pela primeira vez em 2002, por outra aluna da professora Sara Saad, Daniela Basseres.

Já era previsto de que se tratava de um gene importante porque sua sequência contém regiões de regulação sobre outras proteínas já muito bem estudadas e importantes no âmbito do genoma.

A partir do projeto Genoma do Câncer, explicou Lazarini, foram descritas pequenas sequências de genes expressos em neoplasias, porém suas funções ainda não eram conhecidas.

“Ou seja, não se sabia qual a importância da proteína ARHGAP21 na célula.

O objetivo do nosso estudo foi, então, estudar a função dessa proteína em dois diferentes modelos celulares”, contou a bióloga.

Duas alunas anteriores do grupo da professora Sara já haviam estudado as atuações da proteína em células do coração e do sistema nervoso, e estes trabalhos serviram de base para a pesquisa de Lazarini.

O trabalho constitui-se em um importante passo para a compreensão das funções de ARHGAP21 em células endoteliais normais e de carcinoma de próstata.

A escolha do câncer de próstata, explicou a bióloga, recaiu sobre o fato de ser a segunda causa de morte por câncer entre homens no Brasil, fcando atrás apenas do câncer de pulmão.

Ademais, a partir de dados obtidos previamente, já se tinha conhecimento de que a proteína ARHGAP21 tem importantes funções em outros tumores.

Sendo assim, é possível que esse gene seja usado no futuro como alvo terapêutico, através da diminuição de sua expressão por terapia gênica ou agentes químicos.

Durante cinco anos, Lazarini analisou linhagens celulares – que são células provenientes de pacientes do mundo todo – adquiridas de um banco de células nos Estados Unidos.

“Isso é interessante porque a mesma célula que eu utilizo, outros grupos do mundo também usam.

Podemos comparar resultados”, avaliou. No entanto, a pesquisadora ressalta que é preciso, agora, partir para análises da proteína em pacientes e não apenas em linhagens celulares.

O próximo passo, segundo ela, é avaliar um grande número de portadores de câncer de próstata e também um grande número de pacientes normais.

Assim, será possível ver como é a expressão basal dessa proteína para saber se ela está alterada nos pacientes com câncer.

“Poucos estudos foram realizados com o intuito de descrever a função dessa nova proteína, descrita em 2002”, afrmou Lazarini.

Três aspectos importantes do câncer são a migração, adesão e proliferação celular, que se encontram alterados em relação às células normais.

Para a célula cancerígena se espalhar e entrar em metástase, ela precisa migrar e controlar o processo de adesão, soltando-se e aderindo em novos locais.

Além disso, é muito importante verifcar o processo de proliferação celular, uma vez que as células cancerígenas executam esse passo muito mais rapidamente que as células normais.

O papel da ARHGAP21 em todas estas fases foi investigado pela bióloga em linhagens celulares, cujos resultados serão de grande impacto junto à comunidade acadêmica.

Na outra ponta, com relação ao paciente, Lazarini disse que objetivos como os dela, de investigar a função de uma proteína em uma doença, é sempre no final é encontrar novos tratamento que atuem especificamente sobre esta proteína.

Especificamente com relação ao câncer de próstata, a pesquisadora disse que regularmente o problema está no tratamento.

“O tratamento desse tipo de câncer muitas vezes é feito com terapia anti-androgênica, porque quanto mais hormônio, mais o tumor cresce.

Só que existem muitos efeitos colaterais e ao longo do tempo. Muitos pacientes deixam de responder ao tratamento”, observou.

Os estudos de migração celular foram conduzidos por Lazarini no King´s College London, em Londres (Inglaterra), sob supervisão da professora Anne Ridley, durante seu estágio sanduíche de 6 meses, como parte de seu doutorado.

Atualmente, refletiu a bióloga, uma das buscas da ciência é descobrir quais genes são diferencialmente expressos ou ativos em determinados tipos de câncer para poder fazer um diagnóstico e tratamento adequados. “Muita gente está trabalhando nisso”, concluiu

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Aposentadoria é para viver, não para receber só à beira da morte
CHANTAGEM
Ladrões invadem estabelecimentos, obrigam funcionárias a tirarem a roupa, filmam e extorquem vítimas
FORAGIDO
Atirador invade escritório de advocacia e mata duas pessoas
BBB 19
Rízia chora por estar acorrentada: 'Vontade de desistir'