Menu
SADER_FULL
sexta, 17 de janeiro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
BANNER BET
Brasil

Estudo checa tratamento de resíduos na indústria da mandioca

15 Jul 2004 - 13h23
Uma pesquisa aprovada pela Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul), através do edital da Cadeia Produtiva da Mandioca, vai avaliar o tratamento dado aos resíduos líquidos produzidos nas indústrias de pequeno e médio porte que beneficiam a mandioca no Estado.

Coordenado pelo professor Carlos Nobuyoshi Ide, o estudo intitulado “Tratamento de Efluentes Líquidos de Fecularia e Biossistema Integrado para a Cadeia Produtiva da Mandioca” receberá financiamento de R$ 13,7 mil da Fundação, sendo executado durante dois anos na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

De acordo com a pesquisadora Paula Loureiro Paulo, integrante do projeto, o objetivo principal é otimizar e incorporar o uso dos sub-produtos gerados na fabricação da fécula e da farinha da mandioca, em indústrias de pequeno e médio porte, além de investigar o tratamento pelo qual passam os efluentes antes de serem lançados no ambiente.

Paula lembra que a poluição causada pelo gerenciamento inadequado dos resíduos produzidos nas fecularias e farinheiras é bastante séria e já está presente em grande escala em Mato Grosso do Sul.
Inúmeros resíduos são produzidos no processo de extração do amido da mandioca. Porém, o mais poluente é o chamado “manipueira”, considerado bastante ácido e rico em matéria orgânica. Se for despejado em cursos d’água, ele pode provocar a morte de peixes e gado, além de afetar a qualidade da água, da fauna e flora e de provocar mau cheiro.

Conforme a pesquisadora, as farinheiras e fecularias do Estado, independente do porte, não tratam ou tratam precariamente os resíduos líquidos.

Através do estudo será feito ainda um levantamento das comunidades indígenas e dos assentamentos rurais que produzem o tubérculo em Mato Grosso do Sul. A intenção é investigar como são tratados os resíduos gerados com o beneficiamento da mandioca por essas populações. Paula Loureiro conta que em algumas comunidades a mandioca é descascada às margens de córregos e rios e as cascas são lançadas diretamente na água.

Estima-se que a execução do estudo trará benefícios, em especial, para as pequenas comunidades rurais. A meta é ensinar aos índios e assentados a melhor maneira de aproveitar todos os sub-produtos que a mandioca pode oferecer. Segundo Paula, os resíduos líquidos, por exemplo, após passar por tratamento para “purificação” poderão ser reutilizados para a produção de crustáceos e peixes, a serem consumidos pelas próprias comunidades produtoras de mandioca.
Outra alternativa é a produção de biogás através de um reator que faria o tratamento da “manipueira”.

Originária da América do Sul, a mandioca constitui um dos principais alimentos energéticos para cerca de 500 milhões de pessoas, sobretudo nos países em desenvolvimento, onde é cultivada em pequenas áreas com baixo nível tecnológico. Mais de 80 países produzem mandioca, sendo que o Brasil participa com mais de 15% da produção mundial.

Mais informações através dos telefones 351-2550 ou 9902-4830.
 
 
 
Agência Popular

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Brasil é o 3º país em que pessoas passam mais tempo em aplicativos
A CASA CAIU
Mulher acha que marido morreu, busca detetive e descobre traição: 'Agora é ex'
LUTO - IASD
Morre primeiro líder máster de desbravadores investido no Brasil
OVNI OU SATÉLITE?
Objetos não identificados no céu chamam a atenção de moradores
SANGUE FRIO
Homem mata desafeto e continua vendendo picolé nas ruas da cidade
PERIGO DA NARGUILÉ
Jovem contrai doença após fumar narguilé e alerta: 'Abandonem essa porcaria'
100 CULTURA
Escola joga pela janela livros que recebeu como doação
EMPREGADO
Jovem que salvou criança de ataque de pitbull consegue emprego
DINHEIRO NA PRAÇA
Começa hoje o pagamento de abono salarial do PIS-Pasep
ALERTA GERAL
EUA emitem alerta para que turistas evitem visitar cidades de MS e outros locais do Brasil