Menu
LIMIT ACADEMIA
domingo, 20 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Estudo aponta que renda influi mais que escola no vestibular

31 Jul 2004 - 08h42
Estudo feito a partir do resultado do vestibular 2003 da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) indica que a renda e a condição social tendem a ser mais significantes nas aprovações do que as escolas, ao menos no processo seletivo dessa instituição.

A importância da condição social no ensino foi apontada recentemente também no Enem (Exame Nacional de Cursos). Os formandos do ensino médio que disseram possuir TV, computador, acesso à internet, carro e telefone tiveram, em média, 22 pontos a mais (63 a 41) na prova objetiva do que aqueles com pouco ou sem nenhum acesso a esses artigos. A escala vai de zero a 100.

O levantamento da UFMG procurou separar a contribuição das escolas (com mais de 100 inscritos no vestibular) da do ambiente social que envolve o estudante. O resultado mostrou que a maioria das instituições não contribuíram significamente para a aprovação dos estudantes (51% ficaram entre abaixo ou muito abaixo do esperado, 34% ficaram apenas dentro do esperado e 15% acima ou muito acima do esperado). Por outro lado, foi explícita a vantagem dos vestibulandos com melhores condições socieconômicas.



Para chegar a essa conclusão, foi criado um indicador chamado de FSE (Fator Socioeconômico), que considera aspectos da trajetória escolar dos vestibulandos, renda familiar e perfil dos pais. A escala varia de 0 a 10 --quanto maior o número, melhor a condição socioeconômica do aluno.

Os alunos com FSE igual a 0 têm, em média, renda familiar de quatro salários mínimos (R$ 1.040); já os com FSE igual a 10, 40 salários mínimos (R$ 10.040).

Com isso, foi feita a porcentagem de aprovação em cada nível do FSE. É aí que aparece a contribuição socioeconômica no desempenho dos estudantes. Enquanto os alunos com FSE igual a 0 tiveram 3% nas aprovações, os com FSE igual a 10 tiveram 20%.

A seguir, verificou-se o valor médio do FSE para os inscritos de cada escola considerada no estudo e qual foi o seu percentual de aprovação. Em seguida, comparou-se esse percentual com aquele esperado para um grupo de estudantes com a mesma média de FSE, avaliando-se desta maneira se a escola contribuiu positivamente ou negativamente no rendimento dos estudantes.

Por exemplo: para os alunos com FSE de 8,7 espera-se um índice de aprovação de 14,4%. Se os estudantes de uma escola tem FSE médio nessa casa (8,7) e ela teve 7,7% de aprovação, significa que ela ficou abaixo do esperado e contribuiu negativamente. Por outro lado, se teve índice de aprovação acima dos 22%, ficou acima do esperado e contribuiu positivamente. Apenas 15% das instituições ficaram nesta classificação.

Escolha dos pais

"Não fizemos um ranking das melhores escolas, mas, sim, identificamos quais escolas contribuíram mais ou menos para a aprovação no vestibular", afirma Mauro Braga, coordenador do Centro de Estudos Sobre Educação Superior e Políticas Públicas para Educação(Cespe), responsável pelo estudo.

De acordo com Braga, uma escola que contribuiu mais ao estudante não é, necessariamente, a que oferece o melhor ensino. "O estudo é um elemento que poderá ser considerado na hora dos pais escolherem a escola de seus filhos. Mas, tomar a decisão com base apenas, ou principalmente, nesse indicador é um equívoco", diz o coordenador.

"Os pais quando colocam seus filhos em uma determinada escola devem estar preocupados com diferentes aspectos de sua formação, como valores éticos, morais, habilidades a serem adquiridas e convivência social, entre outras coisas, aspectos que não podem ser inferidos com base neste estudo", completou.
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos