Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 23 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Especialistas defendem debate sobre carreira escolar

15 Set 2004 - 17h42
A Comissão de Educação e Cultura da Câmara discutiu hoje, em audiência pública, o Projeto de Lei 837/03, do deputado Durval Orlato (PT-SP), que prevê a inclusão de assistentes sociais e psicólogos na estrutura das escolas. Os participantes da audiência foram unânimes em defender a ampliação do debate público sobre a proposta e destacaram a necessidade de submeter o projeto à analise do Conselho Nacional de Educação.

Achatamento salarial
Na opinião do diretor do Departamento de Desenvolvimento de Sistemas de Ensino do Ministério da Educação, Horácio dos Reis, a criação de novas carreiras para suprir a atual incapacidade de a escola lidar com os desafios decorrentes de problemas sociais, sem aprofundar a reflexão sobre as causas reais dessa incapacidade, tende a mascarar o problema. Segundo o diretor, "não seria equivocado afirmar que, mantidas as atuais condições do trabalho pedagógico, o impacto da criação de novas carreiras no quadro dos profissionais de educação seria inócuo".
Horácio dos Reis disse ainda que a proposta acarretará um achatamento salarial dos profissionais de Educação. Ele defendeu a necessidade de se realizarem estudos sobre a relação custo/benefício e a viabilidade financeira da adoção do projeto.
O diretor concorda com a necessidade de as escolas oferecerem serviços de psicologia e de assistência social, mas, em sua opinião, esses serviços deveriam ser oferecidos por meio de programas que já existem nas instituições de ensino, de forma a aproximar a escola da comunidade.

Evasão e repetência
A vice-presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Ana Terezinha Carneiro Naleto, defendeu a aprovação da proposta. Para ela, a inclusão desses profissionais na estrutura funcional da escola é importante, sobretudo, para enfrentar os maiores problemas da educação básica na opinião da convidada: a evasão e a repetência. Ana Terezinha vê o psicólogo e o assistente social como fundamentais para se resolver a questão.
O autor da proposta, Durval Olato, afirmou que o Estado precisa se organizar para combater os problemas sociais e comportamentais dos alunos nos casos em que a família, sozinha, não consegue administrar. "É ruim para a Nação que uma criança não queira continuar os estudos", analisou.
A equipe formada por psicólogos e assistentes sociais deverá apoiar os professores no trabalho de sala de aula e solucionar questões, como a violência que tem invadido o ambiente escolar. A primeira secretária do Conselho Federal de Serviço Social, Elisabete Borgianni, que defende a proposta, afirmou que o assistente social dará uma nova dinâmica ao processo pedagógico nas escolas.
 
 
Agência Câmara

Deixe seu Comentário

Leia Também

PERSISTÊNCIA
Filho de faxineira e porteiro passa em medicina no Paraná
RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho