Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 17 de dezembro de 2018
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Ermeson quer fiscalização contra cães sem focinheira em Fátima do Sul

4 Ago 2010 - 13h30Por Washington Lima / Fátima News

Vereadores da Câmara Municipal de Fátima do Sul, durante a sessão realizada nesta terça-feira (03/08), aprovaram o requerimento apresentado pelo Vereador Ermeson Cleber Mendes (PT), solicitando a Prefeita Municipal senhora Ilda Salgado Machado, que determine a fiscalização do Município que se faça cumprir a Lei Municipal 1056, proibindo a circulação de cães sem focinheira, guia e coleira nos logradouros públicos, praças e locais de caminhadas em Fátima do Sul.

 

 

Recentemente Vereadores da Câmara Municipal de Fátima do Sul aprovaram a Lei Municipal n° 1056, que “Proíbe a circulação de cães considerados perigosos sem o uso de focinheira, guia e da coleira, em praças e vias públicas do Município de Fátima do Sul”.

 

 

“Inúmeras pessoas que usam da pista de caminhada no Parque Aquático tem reclamado que pessoas fazem caminhadas acompanhadas de seus cães sem os devidos apetrechos de segurança, colocando em risco a integridade física das outras pessoas que estão circulando pelo local”, finalizou Ermeson.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Sóstenes cometeu crime por amor a Luz
ABUSO SEXUAL
João de Deus se entrega para a polícia
ACIDENTE
Criança de dois anos se enforca com a alça da bolsa enquanto brincava em escola
CASO JOÃO DE DEUS
Marina Ruy Barbosa intervém no caso João de Deus e impede uma grande tragédia
PRISÃO DECRETADA
Justiça de Goiás decreta prisão de João de Deus
STARTUPS NO BRASIL JÁ É SUCESSO
O sucesso das startups no Brasil e algumas novas apostas no mercado
REVOLTANTE
Filha de João de Deus diz que foi abusada dos 10 aos 14 anos: 'Meu pai é um monstro'
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Robério beija Marcos Paulo e a agride ao descobrir que ela é trans
DESTAQUE MUNDIAL
Dois brasileiros estão no Top 50: melhores professores do mundo
JUSTIÇA - WHATSAPP
Administradora de grupo no WhatsApp, foi “condenada” á pagar 3 mil por discussão de membros