Menu
prefeitura VICENTINA Março 2019
quarta, 20 de março de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Empresas de ônibus devem cumprir Estatuto do Idoso, diz MPFP

8 Set 2004 - 13h58
 

Para o MPF (Ministério Público Federal), as empresas de transporte representadas pela Abrati (Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros) têm que cumprir a gratuidade e descontos previstos no Estatuto do Idoso, segundo informações divulgadas nesta quarta-feira pela assessoria de comunicação do MPF. A legislação determina que idosos com mais de 60 anos e com renda de até dois salários mínimos tenham direito a duas vagas gratuitas e a bilhetes com desconto de pelo menos 50%, para viagens interestaduais.

Em parecer enviado ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) na segunda-feira (06), o subprocurador-geral da República, Antonio Fonseca, opina pela suspensão da liminar (SS 1404) que permite aos associados da Abrati descumprir essa regra. Segundo Fonseca, “é urgente que isso aconteça, pois o transporte coletivo gratuito e subsidiado traduz uma demanda concreta de um segmento marginalizado”. A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) pediu a cassação da liminar que impediu a fiscalização e punição das empresas de transporte que descumprem o Estatuto. Em Mato Grosso do Sul, a fiscalização ficaria por conta da Agepan (Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos).

Fonseca também sustenta em seu parecer não ser válido o argumento da Abrati de que o benefício representa um ônus capaz de desequilibrar o contrato de concessão e permissão de uso das linhas. Para ele, as empresas devem, primeiro, implantar o serviço para poder dimensionar um possível custo adicional gerado pela reserva de vagas. “O Ministério Público reivindica que os resultados dessa atividade sejam submetidos à audiência pública”, sustenta.

Entenda o caso

Em julho, um juiz da 14ª Vara do Distrito Federal concedeu liminar a Abrati suspendendo a aplicação do Estatuto do Idoso no que se refere às gratuidades. A decisão foi suspensa pelo TRF (Tribunal Regional Federal) da 1ª Região em agosto. Essa decisão judicial, no entanto, foi anulada por um juiz do mesmo Tribunal, que validou a liminar anteriormente concedida a Abrati. A ANTT, então, ingressou com uma suspensão de segurança no STJ (Supremo Tribunal de Justiça). Para decidir sobre o caso, o presidente do STJ, ministro Edson Vidigal, pediu parecer do MPF (Ministério Público Federal).

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

ASSÉDIO SEXUAL
Homem é morto a tiros após assediar mulher casada
FATALIDADE
Mulher morre ao cair de pé de abacate e bater cabeça na linha do trem
MANIACO SEXUAL
Pai flagra estupro da filha dentro de casa usando o celular, suspeito foi preso
FAMOSIDADES
Quem era Bettina antes do R$ 1 Milhão: Ela foi professora de balé, modelo e panfleteira
MENTOR DO MASSACRE
Polícia de Suzano apreende menor suspeito de planejar ataque
INTERNADO
Criança de 4 anos cai em poço de cinco metros de profundidade
RESGATADO
Cão abandonado em ilha estava sendo comido vivo por urubus
SEXTUPLOS
Americana dá à luz seis bebês em nove minutos
TRAGÉDIA EVITADA
Garoto de 11 anos leva faca na mochila para matar colega no ônibus escolar
ALERTA AOS PAIS
Menino de quatro anos corta os pulsos em Goioerê e pode ser influência da Momo