Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 19 de agosto de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Empresas de ônibus devem cumprir Estatuto do Idoso, diz MPFP

8 Set 2004 - 13h58
 

Para o MPF (Ministério Público Federal), as empresas de transporte representadas pela Abrati (Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros) têm que cumprir a gratuidade e descontos previstos no Estatuto do Idoso, segundo informações divulgadas nesta quarta-feira pela assessoria de comunicação do MPF. A legislação determina que idosos com mais de 60 anos e com renda de até dois salários mínimos tenham direito a duas vagas gratuitas e a bilhetes com desconto de pelo menos 50%, para viagens interestaduais.

Em parecer enviado ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) na segunda-feira (06), o subprocurador-geral da República, Antonio Fonseca, opina pela suspensão da liminar (SS 1404) que permite aos associados da Abrati descumprir essa regra. Segundo Fonseca, “é urgente que isso aconteça, pois o transporte coletivo gratuito e subsidiado traduz uma demanda concreta de um segmento marginalizado”. A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) pediu a cassação da liminar que impediu a fiscalização e punição das empresas de transporte que descumprem o Estatuto. Em Mato Grosso do Sul, a fiscalização ficaria por conta da Agepan (Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos).

Fonseca também sustenta em seu parecer não ser válido o argumento da Abrati de que o benefício representa um ônus capaz de desequilibrar o contrato de concessão e permissão de uso das linhas. Para ele, as empresas devem, primeiro, implantar o serviço para poder dimensionar um possível custo adicional gerado pela reserva de vagas. “O Ministério Público reivindica que os resultados dessa atividade sejam submetidos à audiência pública”, sustenta.

Entenda o caso

Em julho, um juiz da 14ª Vara do Distrito Federal concedeu liminar a Abrati suspendendo a aplicação do Estatuto do Idoso no que se refere às gratuidades. A decisão foi suspensa pelo TRF (Tribunal Regional Federal) da 1ª Região em agosto. Essa decisão judicial, no entanto, foi anulada por um juiz do mesmo Tribunal, que validou a liminar anteriormente concedida a Abrati. A ANTT, então, ingressou com uma suspensão de segurança no STJ (Supremo Tribunal de Justiça). Para decidir sobre o caso, o presidente do STJ, ministro Edson Vidigal, pediu parecer do MPF (Ministério Público Federal).

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

FACULDADE
Irmãs estudantes de engenharia vendem doces nos trens do Rio para se sustentar
MUITA FUMAÇA
Crianças passam mal em incêndio que dura três dias
VICENTINENSE DE CORAÇÃO
Após 30 anos dividindo palco, Erika Figueiredo aposta no solo e lança clipe, ASSISTA
SIAMESAS
Mulher dá à luz gêmeas siamesas de 3,700KG as duas
ACIDENTE DE TRABALHO
Homem morre ao ser puxado por colheitadeira quando fazia limpeza
TENTATIVA DE HOMICIDIO
Cansada de apanhar mulher desfere golpes de faca em companheiro
POLICIAIS CORRUPTOS
PMs são denunciados por ligação com tráfico; bandidos fizeram foto em caveirão
NOVELA GLOBAL
Camilo descobre segredo de Chiclete e Vivi em 'A dona do pedaço'
LIBERADO
PIS/Pasep para nascidos em agosto já está liberado
ALUCIENÓGENO
Video: Vovó fica doidona ao provar acidentalmente maconha do neto