Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 27 de junho de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Em semana decisiva, Moka pode virar ministro da Agricultura

12 Mar 2007 - 13h12
 

Na semana em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve concluir a reforma ministerial, o deputado federal e presidente regional do PMDB, Waldemir Moka, pode virar ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ( MAPA ), no lugar de Luiz Carlos Guedes Pinto.

O PMDB será contemplado com a pasta da Integração Nacional e manterá os ministérios das Comunicações e das Minas e Energia. A bancada da Câmara, no entanto, pressiona o governo para garantir mais uma vaga – Turismo , caso Marta Suplicy (PT-SP) recuse a oferta de Lula, ou Agricultura – e se igualar com a do Senado, que fez duas indicações.

Os deputados querem ainda cargos no segundo escalão, como a Secretaria de Previdência Complementar, e diretorias de estatais como Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

Em entrevista na manhã desta segunda-feira ao Bom Dia Brasil, o presidente do partido, deputado Michel Temer (SP), disse que o PMDB deverá ter quatro ministérios. Temer não considerou a indicação do médico José Gomes Temporão, recém-filiado ao PMDB, para o ministério da Saúde.

Se a pasta ofertada for o Turismo, a bancada deve indicar o deputado Eunício Oliveira (CE), que respondeu pelo Ministério das Comunicações no primeiro mandato de Lula. Para a Agricultura, o nome mais cotado é do deputado Waldemir Moka, que ganhou ainda mais corpo com a reeleição de Temer e a derrota do chamado “comando nacional”, formado pelos senadores José Sarney e Renan Calheiros, na convenção nacional do último fim de semana.

Moka conta também com o apoio da bancada ruralista, do governador André Puccinelli (PMDB), que vem fazendo lobby pela indicação, e de entidades ligadas ao agronegócio, como a OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras) e a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil).

Embora Moka seja o mais cotado, o PMDB tem outros nomes ao cargo: Orlando Pessuti, vice-governador do Paraná e o deputado Moacir Micheletto (PR).

Presente de grego?

Moka tem reiterado que não quer ser ministro. Depois de ter os discursos críticos a Lula silenciados pela coalizão e pela “governabilidade”, o parlamentar se sente pouco à vontade para integrar o ministério. Para o presidente Lula, no entanto, seria interessante ter no governo um ex-ferrenho-crítico que reúne o apoio da bancada ruralista.

Moka evita falar no assunto e diz que está afastado das articulações. “Não movo uma palha por ministério, nem estou a par das conversações. Isso cabe ao presidente Michel Temer”, disse ao Midiamax. 

Se for indicado, contudo, Moka deverá acatar a decisão da sigla e se tornar o terceiro ministro representando Mato Grosso do Sul em 13 anos.

De 1994 a 1995 (1º mandato de Fernando Henrique Cardoso), o então secretário-executivo do Ministério das Minas e Energia Delcídio do Amaral, filiado à época ao PSDB, foi ministro das Minas e Energia. Seis anos depois, o então senador Ramez Tebet (PMDB) comandou por três meses – de junho a setembro de 2001 -, o Ministério da Integração Nacional.
 
 
Agências Nacionais

Deixe seu Comentário

Leia Também

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO
Acadêmico de Medicina morre com suspeita de dengue hemorrágica
INSTINTO ASSASSINO
Jovem leva 23 perfurações pelo corpo dois dias após se separar e fica em coma induzido
CRUELDADE
Adolescentes torturam e matam garota por causa de ciúmes, divulgam vídeo e são apreendidas
HABEAS CORPUS
Segunda Turma do STF mantém Lula preso
TRAGEDIA NA RODOVIA
Uma pessoa morre e cinco feridos após carro da Secretaria de Saúde bater em caminhão
ESCRAVIDÃO
Mulher era mantida em cárcere privado por 20 anos
MONSTRUOSIDADE
Bebê de 9 meses é estuprado e espancado até a morte
QUADRO ESTÁVEL
Após acidente e cirurgia às pressas, Filho de Huck e Angélica deixa UTI
CIGARREIRO
Homem morre após capotar carro carregado com cigarros
ASSÉDIO SEXUAL
Dany Bananinha sofre assédio em praia do Rio e impede nova vitima: 'Me tremi toda'