Menu
LIMIT ACADEMIA
terça, 18 de junho de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Em 7 meses, disque-denúncia recebe 3.494 ligações de mulheres agredida

3 Ago 2010 - 16h20Por Mídia Max (Com informações G1)

O serviço de denúncia Ligue 180, específico para receber queixas de violência doméstica contra a mulher registrou somente no Estado do Mato Grosso do Sul 3.494 ligações, no período de janeiro a julho deste ano. Segundo informações do IBGE de 2008, a população feminina no MS atinge 1.214.000, destas a cada 50 mil, 144 mulheres denunciaram as agressões.

A estatística que foi divulgada nesta terça-feira (3) pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, que criou a central em 2005, mostra que em todo o Brasil, o disque-denúncia, no primeiro semestre do ano, registrou um aumento de 112% de queixas comparando com o mesmo período do ano passado.

O Ligue 180 registrou 343.063 atendimentos nos sete primeiros meses de 2010 contra 161.774 nos mesmos meses de 2009.

Segundo o site G1, para o governo, o crescimento da busca pelo serviço "reflete um maior acesso da população a meios de comunicação, vontade de se manifestar acerca do fenômeno da violência de gênero, ao fortalecimento da rede de atendimento às mulheres e ao empoderamento da população feminina local".

Dos atendimentos registrados neste ano pelo telefone de denúncia, a maioria foi por crimes de lesão corporal. Em seguida, ameaças. Juntos, os dois tipos de queixas somaram 70% dos registros do Ligue 180. A Secretaria de Políticas para as Mulheres informou que esses crimes também são os mais registrados por mulheres nas delegacias.

Os dados mostram que o perfil de quem agride é semelhante com o de quem é agredida. A maioria das mulheres que ligou para a central tem entre 25 e 50 anos (67,3%) e nível fundamental de escolaridade (48,3%). Nas queixas, a maioria apontou que os agressores têm entre 20 e 45 anos (73,4%) e também nível fundamental de escolaridade (55,3%).

De acordo com a secretaria, das mulheres que registraram queixas, 72,1% vivem com o agressor, sendo que 57,9% são casadas ou têm união estável. Outros 14,7% denunciaram o ex-namorado ou ex-companheiro.

Considerando a quantidade de ligações por estado, São Paulo foi o que teve maior número de quiexas. Em segundo, Bahia e em terceiro lugar Rio de Janeiro. Quando a análise é feita considerando a quantidade de ligações a cada 50 mil mulheres de cada estado, o Distrito Federal fica em primeiro com 267 ligações a cada 50 mil mulheres. Em segundo, Tocantins, com 245 queixas e o Pará, com 237 fica em terceiro lugar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VIDA SEDENTARIA
OMS alerta: Criança menor de 3 anos não deve ficar nem um minuto em tablet ou celular
HOMICIDIO X SUICIDIO
Pai que matou o filho de 4 anos e se matou não se conformava com namoro da ex-mulher
DOENÇA DO SÉCULO
Jovem de 19 anos, com depressão comete suicídio e comove amigos
ASSASSINATO CRUEL
O massacre do menino Rhuan e o silêncio da grande mídia
FAMOSIDADES
Homem discute com mulher e mata bebê de quatro meses
SOLIDARIEDADE
Bebê nasce sem os olhos e mobiliza cidade do Paraná
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Pai mata filho de quatro anos e se mata por não aceitar fim do relacionamento
ASSASSINATO
Marido da deputada é morto a tiros
MULHER DO PRESIDENTE
Esposa de Jair Bolsonaro cai na internet, fotos íntimas são exibidas e todos ficam sem acreditar
DOURADOS - MANIFESTAÇÕES
Dono da Havan manda 'recado' a manifestantes após protesto em frente a loja de Dourados