Menu
SADER_FULL
quarta, 24 de abril de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Em 40% dos casos, famílias abandonam exame de DNA

16 Jul 2004 - 17h27
Pelo menos 40% dos exames de DNA feitos em Mato Grosso do Sul não saem do laboratório. Desde abril deste ano, o Laboratório de DNA da Coordenadoria de Perícias (único do Estado), em Campo Grande, coletou 600 amostras. Apenas 240 pessoas foram buscar o resultado, segundo a diretora do laboratório, Ceres Ione Macksoud de Oliveira. “Não sabemos porque, ainda vamos fazer um estudo sobre isso”, diz. Mas a diretora aponta que “acreditamos que é por causa da situação financeira, a dificuldade de pagar a passagem de ônibus de vir buscar”. Nos próximos dias, mais 700 pessoas serão chamadas para buscar o resultado. “Não deve vir nem a metade”, prevê.
O laboratório de Campo Grande foi criado em março de 2003. Só um ano depois, após ser equipado e ter o pessoal treinado, começou a realizar os exames. Antes disso, o serviço era feito no Instituto de Perícia Científica. Por enquanto, estão sendo realizados exames de paternidade comuns (de 90 a 95% dos casos) e de reconhecimento de paternidade em casos de estupro. Segundo o secretário de Segurança Pública, Antonio Braga, a segunda fase é atender os processos criminais. A perita criminal Josemirtes Prado da Silva estima que isso aconteça até o fim do ano. "Os laudos criminais são mais difíceis porque no exame de paternidade é só o sangue, puro. Em crimes, o sangue está misturado a sujeira, bactérias(...), por isso a metodologia é diferente. Ainda estamos treinando o pessoal", afirma.
Os exames de DNA são feitos só com determinação judicial. Hoje, na entrega simbólica de 30 exames de DNA, Braga destacou a importância do laboratório. “É um direito de cada cidadão, faz parte da identidade de cada um saber o nome do pai”, diz.
Os exames no laboratório são gratuitos. Em uma clínica particular, eles custam de R$ 400 a R$ 600. Para o Estado, o gasto é de menos de R$ 200 com cada exame, conforme a diretora. “E quanto mais exames, menor vai ser esse valor”, afirma.
O governo investiu R$ 1 milhão na construção do laboratório, um dos mais modernos do País. Os equipamentos são importados. “Só em Brasília existe um laboratório como este, mas nossos equipamentos são mais avançados”, comenta a perita.
Existe uma ordem de prioridade para a realização dos exames. “Os casos de estupro vão na frente”, diz a diretora. Casos delicados também têm preferência. “Tivemos um caso de uma menina com leucemia que precisa receber a pensão do pai, que não a reconhecia como filha. Colocamos no começo da fila”, cita.

 

 

Campo Grande News

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOENÇA DO SÉCULO
Yasmim Gabrielle tomou muitos remédios antes de morrer, segundo colega de infância
INSANIDADE
Vídeo mostra suspeito carregando no colo menina de 6 anos antes de matá-la
JULGAMENTO DE LULA
Em decisão unânime, 5ª Turma do STJ reduz pena de Lula para 8 anos e 10 meses
COMOÇÃO NAS REDES SOCIAIS
Morte de criança de 11 anos e de universitária em batida de carro causa comoção
IMAGENS FORTES
Homem se joga dentro de carro em chamas e morre após suposta traição da mulher
POPULAÇÃO AGIU
Deficiente físico que vendia amendoim é assaltado
CAMPO BELO RESORT - PACOTE DIA DAS MÃES
Campo Belo Resort com pacote especial para Dia das Mães, confira e faça sua reserva
REVOLTANTE
Menina de seis anos que sumiu enquanto dormia é achada morta
100 GREVE
Governo fecha acordo com caminhoneiros e evita paralisação
CRÔNICA DA SEMANA
CRÔNICA DA SEMANA: 'Precisamos redescobrir o Brasil', por Luciano Gazola