Menu
LIMIT ACADEMIA
quinta, 21 de fevereiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Economia informal movimenta R$ 578 bi e equivale ao PIB da Argentina

21 Jul 2010 - 14h48Por Folha Online

A economia informal movimentou R$ 578 bilhões no Brasil em 2009, o equivalente a 18,4% do PIB (Produto Interno Bruto, soma das riquezas produzidas no país), aponta pesquisa divulgada pela FGV (Fundação Getulio Vargas) e pelo Etco (Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial) nesta quarta-feira.

A cifra corresponde ainda a um valor próximo ao PIB da Argentina. O resultado da participação de economia subterrânea do país, que compreende a produção de bens e serviços não reportados ao governo, mostra um avanço em relação a 2003.

Naquele ano, os R$ 357 bilhões registrados representavam 21% do PIB. Na conversão para valores de 2009, essa cifra saltaria para R$ 523 bilhões.

Segundo os pesquisadores, o que explica esse aumento é uma base maior do PIB - quase dobrou no período -, ou seja, o valor movimentado pela economia subterrânea pouco se alterou, porque a renda do brasileiro também subiu.

De acordo com o pesquisador do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia) da FGV, Fernando de Holanda Barbosa Filho, uma das variáveis que mais contribuiu para a queda na participação da economia subterrânea em relação ao total foi a busca pelo crédito. Isso significa que empresas e trabalhadores preferem arcar com o custo da formalização para ter acesso a financiamentos.

Uma melhora no sistema de fiscalização no pagamento de tributos e o crescimento de pequenas empresas também contribuíram para a queda no percentual.

Para se chegar ao nível da economia subterrânea, os pesquisadores fazem cálculos baseados na demanda de moeda e número de trabalhadores informais, além de outras variáveis.

OUTROS PAÍSES

De acordo com Barbosa, o nível da economia não contabilizada ainda está aquém do ideal, mas já mostra avanço. A análise é feita com base no índice médio observado em países da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), em que a movimentação subterrânea representa cerca de 10% do PIB.

Já os países emergentes apresentam índice médio de 30% de toda a riqueza circulando fora do circuito formal da economia.

"Em geral uma grande saída (para diminuir o percentual) seria reduzir a carga tributária e a burocracia", aponta Barbosa. Ele acredita que a tendência de queda na economia subterrânea se mantenha pelos próximos anos no Brasil.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Aposentadoria é para viver, não para receber só à beira da morte
CHANTAGEM
Ladrões invadem estabelecimentos, obrigam funcionárias a tirarem a roupa, filmam e extorquem vítimas
FORAGIDO
Atirador invade escritório de advocacia e mata duas pessoas
BBB 19
Rízia chora por estar acorrentada: 'Vontade de desistir'
LARANJADA
Deputados do PSOL distribuem laranjas na chegada de Bolsonaro à Câmara
AMOR A PROFISSÃO
Pedreira caprichosa viraliza com trabalho detalhista e ganha novos clientes
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
O Boticário apresenta Quasar Brave, venha conferir no O Boticário em Fátima do Sul
SUPERAÇÃO
Jovem que morou 5 anos nas ruas se forma em Direito
FENÔMENO
Maior superlua de 2019 iluminará o céu nesta terça, 19