Menu
SADER_FULL
domingo, 18 de novembro de 2018
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
SICREDI_FATIMA
Brasil

DRT faz dono de usina pagar R$ 350 mil em rescisões

30 Mar 2007 - 16h24
O proprietário da DCOIL (Destilaria Centro Oeste Iguatemi), Nelson Donadel, já começou a pagar na tarde de hoje as rescisões trabalhistas, avaliadas num total de aproximadamente R$ 350 mil, conforme determinação da Procuradoria do Trabalho, após ser flagrado por fiscais trabalhistas com centenas de trabalhadores em situação irregular.
 
O valor que será encaminhado aos 409 trabalhadores encontrados nas dependências da empresa em situação trabalhista degradante. Os primeiro a receber as indenizações trabalhistas serão os 150 indígenas guarani e terena que foram encontrados na usina, dormindo em alojamentos superlotados. De acordo com o procurador do Trabalho Jonas Ratier Moreno, que está acompanhando os pagamentos das rescisões, desde o início da tarde de hoje o empresário já começou a pagar os indígenas.
 
Um grupo formado pelo empresário, o procurador e uma equipe do Grupo Especial Móvel de Fiscalização do MPT (Ministério Público do Trabalho) estão percorrendo as aldeias de Coronel Sapucaia, Amambai e Dourados para efetuar o pagamento. A expectativa é que a operação seja concluída mais tardar neste sábado. Os demais 259 trabalhadores receberão as indenizações a partir desta segunda-feira (dia 2 de abril).
 
O procurador relatou que os contratos empregatícios já foram rescindidos e os trabalhadores não possuem mais ligação com a destilaria. Os indígenas já retornaram para as aldeias, após o canavial ser interditado pelos fiscais do trabalho. Em entrevista, o procurador se disse “estarrecido” com a atitude da empresa em manter empregados em situações trabalhistas degradantes, principalmente, “diante da plena expansão do setor sucro alcooleiro no Brasil não se justifica um empresário tomar esta medida de contenção de gastos”.
 
Jonas Moreno disse ainda que o que mais chamou atenção dos fiscais foi atuação do empresário como médico trabalhista de seus próprios empregados. “Essa atitude é anti-ética devido ao conflito de interesse, um empregador não pode realizar exames admissionais, demissionais e de licenças médicas em seus próprios empregados. Nenhum empregador iria atestar a licença de um trabalhador por causa de problemas de saúde”, argüiu o procurador.
 
 
 
 
Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Gabriel se declara para Luz e os dois se beijam
MULHERES TEM QUE DENUNCIAR
Jovem posta foto com rosto inchado para denunciar agressão do namorado
ENCONTRO DE GOVERNADORES
Em encontro de governadores com Bolsonaro, Reinaldo defende fronteira e reajuste da tabela SUS
VIOLENCIA DOMESTICA
Homem é esfaqueado por esposa que tem ciumes até da sombra
ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto