Menu
SADER_FULL
quinta, 22 de agosto de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Dólar fecha em alta e Bovespa cai

26 Jul 2004 - 16h06

O mercado de câmbio doméstico encerrou os negócios desta segunda-feira em alta. O dólar comercial ficou cotado a R$ 3,075 na compra e R$ 3,077 na venda, a maior cotação do dia, com valorização de 0,68% em relação ao fechamento de sexta-feira. Na bolsa paulista, o movimento vendedor prevalece. Às 16h32, o Ibovespa somava 21.267 pontos, com perda de 1,50%.

Após abrir em baixa e operar boa parte da manhã próximo da estabilidade, o dólar pegou embalo na queda dos títulos brasileiros negociados no exterior e dos principais mercados acionários, invertendo o rumo.

"Está com cara de realização, mas o fato é que, de novo, as bolsas estão em queda forte lá fora e os Treasuries com rendimento em alta. Os nossos títulos estão caindo também e isso está puxando o risco. Com isso, o dólar acabou pegando uma maré de alta", resumiu Jorge Kattar, responsável pela mesa de derivativos do Rabobank em São Paulo.

Após exibir leve baixa pela manhã, o risco brasileiro, medido pelo JP Morgan, subia 6 pontos, para 619 pontos-básicos acima dos títulos do Tesouro dos EUA.

A Bolsa de Valores de São Paulo, depois de operar em alta e encostar nos 22 mil pontos pela manhã, retomou a tendência de queda. A atenção dos investidores se voltava aos indicadores da economia norte-americana, em busca de sinais sobre o ritmo de alta dos juros na maior economia do mundo.

O primeiro dado importante da semana surpreendeu pela sua força: as vendas de moradias usadas nos Estados Unidos tiveram forte alta de 2,1% em junho, contrariando a expectativa de declínio.

Quanto mais forte o desempenho da economia norte-americana, maior a possibilidade de o banco central do país, o Federal Reserve, abandonar o gradualismo na elevação dos juros, reduzindo a atratividade de ativos de economias emergentes, como a brasileira.

Após os números do mercado imobiliário, os títulos da dívida do governo norte-americano, os Treasuries, já passaram a precificar juros maiores.

"Lá fora os (retornos dos) Treasuries começaram a subir e o risco-país e o C-Bond começaram a sofrer", disse Luiz Roberto Monteiro, assessor de investimentos da corretora Souza Barros.

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

FATALIDADE
Menina de 7 anos é atacada por pitbull e morre na casa dos avós
CRIMINOSO FORAGIDO
Ataque com machadinha deixa alunos e professora feridos em escola
POLEMICA II
Após polêmica, deputado diz que não existe PL de poliamor ou casamento entre mães e filhos
CONFISSÃO
Filhos investigam e descobrem que pai matou a mãe há 37 anos
MAL SUBITO
Policial militar tem mal súbito e morre no mesmo dia que descobriu que seria pai
NOVELA GLOBAL
Régis oferece vender loja para dar dinheiro a Maria da Paz em 'A dona do pedaço'
POLÊMICA
Vale Tudo: projeto libera casamento entre mães e filhos e revolta MS
100 VERBAS
Emissão de CPF e restituição do IR podem ser suspensas pela Receita
100 PENA
'Não tem que ter pena', diz Jair Bolsonaro sobre uso de atirador de elite após sequestro de ônibus
ACIDENTE TRÁGICO
Morte de três profissionais em acidente comove a cidade