Menu
SADER_FULL
domingo, 27 de maio de 2018
PASSARELA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Dólar fecha em alta e Bovespa cai

26 Jul 2004 - 16h06

O mercado de câmbio doméstico encerrou os negócios desta segunda-feira em alta. O dólar comercial ficou cotado a R$ 3,075 na compra e R$ 3,077 na venda, a maior cotação do dia, com valorização de 0,68% em relação ao fechamento de sexta-feira. Na bolsa paulista, o movimento vendedor prevalece. Às 16h32, o Ibovespa somava 21.267 pontos, com perda de 1,50%.

Após abrir em baixa e operar boa parte da manhã próximo da estabilidade, o dólar pegou embalo na queda dos títulos brasileiros negociados no exterior e dos principais mercados acionários, invertendo o rumo.

"Está com cara de realização, mas o fato é que, de novo, as bolsas estão em queda forte lá fora e os Treasuries com rendimento em alta. Os nossos títulos estão caindo também e isso está puxando o risco. Com isso, o dólar acabou pegando uma maré de alta", resumiu Jorge Kattar, responsável pela mesa de derivativos do Rabobank em São Paulo.

Após exibir leve baixa pela manhã, o risco brasileiro, medido pelo JP Morgan, subia 6 pontos, para 619 pontos-básicos acima dos títulos do Tesouro dos EUA.

A Bolsa de Valores de São Paulo, depois de operar em alta e encostar nos 22 mil pontos pela manhã, retomou a tendência de queda. A atenção dos investidores se voltava aos indicadores da economia norte-americana, em busca de sinais sobre o ritmo de alta dos juros na maior economia do mundo.

O primeiro dado importante da semana surpreendeu pela sua força: as vendas de moradias usadas nos Estados Unidos tiveram forte alta de 2,1% em junho, contrariando a expectativa de declínio.

Quanto mais forte o desempenho da economia norte-americana, maior a possibilidade de o banco central do país, o Federal Reserve, abandonar o gradualismo na elevação dos juros, reduzindo a atratividade de ativos de economias emergentes, como a brasileira.

Após os números do mercado imobiliário, os títulos da dívida do governo norte-americano, os Treasuries, já passaram a precificar juros maiores.

"Lá fora os (retornos dos) Treasuries começaram a subir e o risco-país e o C-Bond começaram a sofrer", disse Luiz Roberto Monteiro, assessor de investimentos da corretora Souza Barros.

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

PARALISAÇÃO
Petroleiros do Pais inteiro anunciam greve "Vamos parar todas as Refinarias"
NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Laureta transa com Ícaro e fica encantada
FÁTIMA DO SUL - FOTO DO DIA
FOTO DO DIA: Carreata dos caminhoneiros vista de cima em Fátima do Sul
FÁTIMA DO SUL - GREVE JÁ PREOCUPA
Situação já preocupa o setor alimentício 'Acendemos a luz vermelha', diz empresário em Fátima do Sul
FÁTIMA DO SUL - BUZINAÇO NA AVENIDA
Ao som do Hino Nacional, população e caminhoneiros fazem 'buzinaço' em Fátima do Sul
AGORA - DECISÃO DO PRESIDENTE
#AGORA: Temer aciona Exército 'forças federais' para desbloquear estradas
FÁTIMA DO SUL - CARREATA DOS CAMINHONEIROS
Caminhoneiros preparam carreata e conclamam o comércio para que fechem as portas em Fátima do Sul
COPA DO MUNDO
Dias de jogos do Brasil na Copa do Mundo não serão feriado
FÁTIMA DO SUL - PROTESTOS CONTINUAM
Bloqueios continuam e caminhoneiros convocam população para 'Parar Fátima do Sul'
VANDALISMO NÃO!
Caminhão é incendiado por manifestantes durante protesto contra aumento de combustível