Menu
SADER_FULL
sábado, 19 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Dólar fecha em alta de quase 1% seguindo cena externa

5 Set 2007 - 16h23

O dólar subiu quase 1% nesta quarta-feira, em reação à piora do humor nos mercados internacionais após dados sobre a economia dos Estados Unidos.

O mercado de câmbio acompanhou o pessimismo nos mercados internacionais após alguns dias de menor volatilidade. As bolsas de valores em Nova York operavam em queda de mais de 1% durante a tarde, atentas a uma série de dados.

As vendas pendentes de moradias nos Estados Unidos caíram 12,2% em julho e atingiram o menor nível desde setembro de 2001. Além disso, o Livro Bege do Federal Reserve, que resume as condições econômicas do país, mostrou que o aperto nos padrões de crédito hipotecário afetou notavelmente a já enfraquecida atividade imobiliária norte-americana.

Com isso, o dólar interrompeu a trajetória de queda das últimas sessões. "A moeda norte-americana deve ficar nessa banda (de variação) até que se tenha um foco melhor sobre o mercado de crédito imobiliário de alto risco, o quanto vai dar de prejuízo aos investidores", disse Tarcísio Rodrigues, diretor de câmbio do Banco Paulista.

Segundo ele, o mercado ainda mantém uma postura bastante cautelosa antes da divulgação dos balanços trimestrais de bancos e corretoras. Os resultados, que começam a ser divulgados na semana que vem, devem dar a dimensão das perdas associadas ao crédito de alto risco nos EUA.

Fluxo
A turbulência nos mercados internacionais já reduziu a entrada líquida de dólares no país. Segundo dados divulgados pelo Banco Central nesta quarta-feira, o fluxo cambial ficou positivo em US$ 6,841 bilhões em agosto, abaixo dos US$ 11,588 bilhões do final de julho.

Segundo Sandra Utsumi, economista-chefe da Bes Investimentos, "muitos estrangeiros foram obrigados a zerar posição em ativos de risco, o que acabou tendo impacto sobre o volume de recursos para o País".

A entrada de dólares foi sustentada pelas operações comerciais, que tiveram saldo positivo de 6,880 bilhões de dólares no mês. As transações financeiras registraram saldo negativo de US$ 39 milhões.

Segundo Rodrigues, a magnitude do fluxo financeiro negativo foi até surpreendente. "Pensei que tinha mais saída". Em junho e julho, porém, as operações financeiras chegaram a ter saldo positivo entre US$ 6 bilhões e US$ 7 bilhões.

Além da redução da entrada líquida de dólares no país, agosto foi o primeiro mês desde novembro do ano passado em que os bancos ficaram com posição comprada em dólar - de US$ 1,723 bilhão.

 

 

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos
LUTO NA MÚSICA
Cantor sertanejo Marciano morre aos 67 anos, vítima de enfarto
CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS
DECEPCIONADA
Regina Duarte surpreende e se posiciona contra atitude de Bolsonaro
SATÂNICO
Mulheres são presas acusadas de torturar criança de apenas dois anos que teve rosto desfigurado
INSPIRAÇÃO
Idoso se forma em Direito aos 94 anos, após morte da esposa
POLEMICA
Movimento Gay quer tirar Bíblia de circulação no Brasil, diz Damares