Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 20 de novembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
SICREDI_FATIMA
Brasil

Dólar desacelera, mas ainda sobe 3,5% por crise

16 Ago 2007 - 10h30
O dólar subiu mais de 3% nesta quinta-feira, depois de ter disparado 4,43% nos primeiros minutos de negócios, com a saída de investidores estrangeiros após o agravamento das condições de crédito e liquidez globais.
 

Às 10h15, a moeda norte-americana era cotada a R$ 2,102, em alta de 3,5%. O dólar chegou a ser negociado a R$ 2,120 na abertura do pregão à vista da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), praticamente zerando a queda acumulada no ano.

"O noticiário está recheado de notícias negativas relacionadas com a crise no mercado de crédito", disse Vladimir Caramaschi, economista-chefe da Fator Corretora.

As ações da Countrywide Financial, maior concessora de hipotecas dos Estados Unidos, despencavam no pregão eletrônico em Nova York depois que a empresa informou que está usando uma linha de crédito de US$ 11,5 bilhões para aumentar sua liquidez.

Além disso, as ações da financeira hipotecária australiana Rams Home Loans Group afundaram 36% com o anúncio de que não conseguiu rolar empréstimos de curto prazo por causa da falta de liquidez no mercado.

"O grau de tensão vai se elevando à medida que a crise vai se aprofundando. Os mercados não conseguem encontrar um equilíbrio, e há o temor de uma crise bancária mais aberta", acrescentou Caramaschi.

Em meio ao solavanco nos mercados, o fluxo de dólares que vinha inundando o mercado de câmbio desde o começo do ano perdeu força e tem sido sustentado somente pelas exportações. De acordo com dados do Banco Central, o fluxo financeiro de dólares nas duas primeiras semanas de agosto foi negativo, indicando saída de capital.

Mesmo assim, o economista diz que os efeitos da turbulência sobre o mercado de câmbio devem ser temporários, já que o foco dos problemas não está na economia brasileira.

"A maioria dos agentes mantém a idéia de que a situação é confortável no balanço de pagamentos (brasileiro) e que o acúmulo de reservas dá uma tranquilizada. Acho que é um movimento de curto prazo que reflete o aumento da aversão ao risco e a incerteza provocada pela crise", disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem que matou filho para defender a nora comete suicídio
INJUSTIÇA
Familiares prestam homenagem a laçador de cães que morreu após ser hostilizado
FORAGIDO
Mulher é morta a facadas pelo ex-marido, que não aceitava fim de relacionamento
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Valentina conta a Egídio que Gabriel é filho dele
CRUELDADE
Idosa de 106 anos é assassinada a pauladas no Maranhão
NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)