Menu
SADER_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Dois prefeitos do Estado reprovados pela CGU são reeleitos

18 Out 2004 - 08h54

Dois prefeitos de Mato Grosso do Sul reprovados em fiscalização da CGU (Controladoria Geral da União) foram reeleitos nas eleições do último dia 3 de outubro. Laerte Tetila (PT), prefeito de Dourados, segunda maior cidade do Estado, e Jercé Eusébio de Souza (PMDB), prefeito de Batayporã, município a 301 quilômetros de Campo Grande, foram acusados de irregularidades nas respectivas administrações.

Em Dourados, onde Tetila foi reeleito com 54% dos votos, a fiscalização da CGU apontou três irregularidades na aplicação de recursos federais. Conforme informações do relatório, foi constatada irregularidade na transferência de recursos na ordem de R$ 113,1 mil para o programa Comunidade Ativa, na obra de reforma de um posto de saúde que teve custo de R$ 135 mil e falhas na execução do PETI (Programa de Erradicação do Trabalho Infantil).

Segundo o relatório, há saldo de metas na execução do PETI e ainda atraso no pagamento das bolsas das 923 crianças atendidas. Além disso, o pagamento referente aos meses de abril, maio, junho e julho, não haviam sido depositados, mesmo com o repasse de R$ 267,3 mil à prefeitura.

Em Batayporã, cujo prefeito foi reeleito com 41,6% dos votos, a CGU apontou a não conclusão de obra de drenagem, canalização e dragagem prevista em convênio com o Ministério da Integração Nacional que repassou R$ 454,5 mil para drenagem fluvial.

A prestação de contas, porém, foi aprovada parcialmente pelo Ministério, com base no Relatório de Avaliação Final da Caixa Econômica Federal, relativo à vistoria feita em 15 de setembro do ano passado. Segundo o apurado pelo banco, só se executou 86,59% do investimento e é pedida a glosa de R$ 60,8 mil.

Pelo relatório, a prefeitura não efetivou o valor total de sua contrapartida, estabelecida em R$ 95,9 mil, para construção de 3,36 mil metros de galerias de águas pluviais, também em convênio com o Ministério da Integração Nacional no valor de R$ R$ 479,5 mil.

Foi aplicado na verdade apenas R$ 72,6 mil, sendo R$ 23,2 mil a menos do que deveria. Já em 27 de fevereiro, o Ministério notificou a prefeitura para que efetuasse a devolução dos recursos atualizados monetariamente. A prefeitura, por seu lado, informou que o fato ocorreu na administração anterior, mas que a contrapartida foi paga em serviços.

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos