Menu
LIMIT ACADEMIA
sexta, 22 de fevereiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CONTAINER
Brasil

Dívida pública federal cresce 1,42%, para R$ 1,278 trilhão

26 Abr 2007 - 04h50
A dívida pública federal (soma dos endividamentos internos e externos) fechou março em R$ 1,278 trilhão. O valor é 1,42% maior que o resultado em fevereiro, quando a dívida ficou em R$ R$ 1.260,4 bilhões trilhão. Em termos nominais, sem descontar a inflação, o crescimento foi de R$ 17,88 bilhões.

A dívida pública mobiliária federal interna (DPMFI) teve alta de 2,02% em março, passando de R$ 1,120 trilhão em fevereiro para R$ 1,142 trilhão no terceiro mês de 2007. Segundo dados divulgados nesta quarta-feira, 25, pelo Tesouro, a parcela de títulos prefixados no total da dívida interna superou, pela primeira vez, o volume de papéis atrelados à taxa básica de juros, a Selic (atualmente em 12,5% ao ano).

A participação dos títulos pré-fixados na composição da dívida subiu de 35,39%, em fevereiro, para 37,26%, em março, somando R$ 425,80 bilhões. Já os papéis atrelados à taxa básica de juros, a Selic (atualmente em 12,75% ao ano), recuaram de 38,43% para 36,53%, totalizando R$ 417,42 bilhões, valor que considera as operações de swap.

A performance já era esperada para o primeiro semestre deste ano e é resultante da estratégia do Tesouro Nacional de zerar no longo prazo o volume de papéis atrelados à Selic, considerados de maior risco de financiamento para o governo porque têm taxas pós-fixadas. Já os papéis prefixados são considerados melhores para a administração da dívida porque têm taxa definida em leilão.

Os papéis atrelados a índice de preços se mantiveram praticamente estáveis, passando de 22,59%, em fevereiro, para 22,66%, em março.

A parcela atrelada ao câmbio recuou de 1,26% para 1,20% do total da dívida na mesma comparação sem incorporar as operações de swap cambial. Se estas operações forem contabilizadas, o Brasil passa a ser credor, em dólar, ao equivalente a R$ 11,590 bilhões.

Já os títulos atrelados à Taxa Referencial (TR) tiveram sua participação ampliada de 2,33% em fevereiro para 2,35% em março.

Juros

O crescimento de R$ 32,153 bilhões em fevereiro da dívida pública mobiliária federal interna é resultado da emissão líquida de R$ 10,5 bilhões ocorrida no mês e à apropriação dos juros da dívida no valor de R$ 12,130 bilhões. A apropriação dos juros correspondeu a 0,84% do estoque da dívida. As emissões de títulos somaram em fevereiro R$ 40,7 bilhões enquanto que o total de resgates no mês foi de R$ 18,9 bilhões.

Dívida externa

A dívida pública federal externa caiu de R$ 140,34 bilhões em fevereiro para R$ 135,62 bilhões em março, o equivalente a uma queda de 3,48%. Além do resgate líquido de R$ 1,6 bilhão na dívida externa, a valorização de 3,2% do real em relação ao dólar também contribuiu decisivamente para a redução do tamanho desta dívida.

De acordo com os dados divulgados pelo Tesouro Nacional, a participação dos papéis atrelados ao dólar caiu de 83,12% em fevereiro, para 82,10% em março. A parcela atrelada ao euro subiu de 9,91% para 10,09% na mesma comparação, e a fatia em reais avançou de 5,72% para 6,54%.

Títulos a vencer

A parcela da dívida interna a vencer em 12 meses caiu, em março, de 35,55% para 35,03% do total do endividamento. Isso significa que do total de R$ 1,142 trilhão da dívida, R$ 400,27 bilhões dos títulos vencem no prazo de um ano. Quanto menor essa parcela, considerada dívida de curto prazo, melhor é avaliado pelos economistas o perfil da dívida.

A parcela a vencer em 12 meses da Dívida Pública Federal (DPF) total (interna e externa) caiu em fevereiro de 32,34% para 32,06% do total. Já a parcela da Dívida Pública Federal externa (DPFe) de 6,73% para 7,06%.

O prazo médio dos títulos da DPMFi teve um ligeiro aumento, de 31,64 meses para 31,88 meses em março e da DPFe caiu de 71,73 meses para 71,41 meses. O prazo médio de emissões dos papéis da DPMFi saltou de 33,70 meses, em fevereiro, para 35,52 meses, em março.

 

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Aposentadoria é para viver, não para receber só à beira da morte
CHANTAGEM
Ladrões invadem estabelecimentos, obrigam funcionárias a tirarem a roupa, filmam e extorquem vítimas
FORAGIDO
Atirador invade escritório de advocacia e mata duas pessoas
BBB 19
Rízia chora por estar acorrentada: 'Vontade de desistir'