Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 18 de fevereiro de 2020
SADER_FULL
Busca
Brasil

Dívida pública federal cresce 1,42%, para R$ 1,278 trilhão

26 Abr 2007 - 04h50
A dívida pública federal (soma dos endividamentos internos e externos) fechou março em R$ 1,278 trilhão. O valor é 1,42% maior que o resultado em fevereiro, quando a dívida ficou em R$ R$ 1.260,4 bilhões trilhão. Em termos nominais, sem descontar a inflação, o crescimento foi de R$ 17,88 bilhões.

A dívida pública mobiliária federal interna (DPMFI) teve alta de 2,02% em março, passando de R$ 1,120 trilhão em fevereiro para R$ 1,142 trilhão no terceiro mês de 2007. Segundo dados divulgados nesta quarta-feira, 25, pelo Tesouro, a parcela de títulos prefixados no total da dívida interna superou, pela primeira vez, o volume de papéis atrelados à taxa básica de juros, a Selic (atualmente em 12,5% ao ano).

A participação dos títulos pré-fixados na composição da dívida subiu de 35,39%, em fevereiro, para 37,26%, em março, somando R$ 425,80 bilhões. Já os papéis atrelados à taxa básica de juros, a Selic (atualmente em 12,75% ao ano), recuaram de 38,43% para 36,53%, totalizando R$ 417,42 bilhões, valor que considera as operações de swap.

A performance já era esperada para o primeiro semestre deste ano e é resultante da estratégia do Tesouro Nacional de zerar no longo prazo o volume de papéis atrelados à Selic, considerados de maior risco de financiamento para o governo porque têm taxas pós-fixadas. Já os papéis prefixados são considerados melhores para a administração da dívida porque têm taxa definida em leilão.

Os papéis atrelados a índice de preços se mantiveram praticamente estáveis, passando de 22,59%, em fevereiro, para 22,66%, em março.

A parcela atrelada ao câmbio recuou de 1,26% para 1,20% do total da dívida na mesma comparação sem incorporar as operações de swap cambial. Se estas operações forem contabilizadas, o Brasil passa a ser credor, em dólar, ao equivalente a R$ 11,590 bilhões.

Já os títulos atrelados à Taxa Referencial (TR) tiveram sua participação ampliada de 2,33% em fevereiro para 2,35% em março.

Juros

O crescimento de R$ 32,153 bilhões em fevereiro da dívida pública mobiliária federal interna é resultado da emissão líquida de R$ 10,5 bilhões ocorrida no mês e à apropriação dos juros da dívida no valor de R$ 12,130 bilhões. A apropriação dos juros correspondeu a 0,84% do estoque da dívida. As emissões de títulos somaram em fevereiro R$ 40,7 bilhões enquanto que o total de resgates no mês foi de R$ 18,9 bilhões.

Dívida externa

A dívida pública federal externa caiu de R$ 140,34 bilhões em fevereiro para R$ 135,62 bilhões em março, o equivalente a uma queda de 3,48%. Além do resgate líquido de R$ 1,6 bilhão na dívida externa, a valorização de 3,2% do real em relação ao dólar também contribuiu decisivamente para a redução do tamanho desta dívida.

De acordo com os dados divulgados pelo Tesouro Nacional, a participação dos papéis atrelados ao dólar caiu de 83,12% em fevereiro, para 82,10% em março. A parcela atrelada ao euro subiu de 9,91% para 10,09% na mesma comparação, e a fatia em reais avançou de 5,72% para 6,54%.

Títulos a vencer

A parcela da dívida interna a vencer em 12 meses caiu, em março, de 35,55% para 35,03% do total do endividamento. Isso significa que do total de R$ 1,142 trilhão da dívida, R$ 400,27 bilhões dos títulos vencem no prazo de um ano. Quanto menor essa parcela, considerada dívida de curto prazo, melhor é avaliado pelos economistas o perfil da dívida.

A parcela a vencer em 12 meses da Dívida Pública Federal (DPF) total (interna e externa) caiu em fevereiro de 32,34% para 32,06% do total. Já a parcela da Dívida Pública Federal externa (DPFe) de 6,73% para 7,06%.

O prazo médio dos títulos da DPMFi teve um ligeiro aumento, de 31,64 meses para 31,88 meses em março e da DPFe caiu de 71,73 meses para 71,41 meses. O prazo médio de emissões dos papéis da DPMFi saltou de 33,70 meses, em fevereiro, para 35,52 meses, em março.

 

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

FEMINICIDIO
Mulher é morta com tiro na cabeça na frente dos filhos
FAMOSOS
Chorando, sertanejo Zezé di Camargo faz grave revelação sobre luta de seu pai contra doença
APLICATIVO
Justiça trabalhista admite como prova conversas por WhatsApp
ATENTADO A ESCLARECER
Deputado federal de MS diz que seu carro foi atingido por 5 tiros e que revidou
MEDULA ÓSSEA
Jovem fica paraplégica por causa de um piercing
ABSURDO
Professora é envenenada em sala de aula por alunos do 4º ano
COMOÇÃO
Despedida de Júlia é um dos velórios mais tristes que Brasília já viu
FAMOSIDADES
Pai do sertanejo Zezé di Camargo, está em situação gravíssima de saúde
VICENTINA - PESQUEIRO 7 BELLO
Domingo especial no Pesqueiro 7 Bello com almoço e o 3º Torneio de Pesca Esportiva em Vicentina
FAMOSIDADES
“Já estou com saudades”, lamenta Ana Maria Braga pela morte da cachorrinha