Menu
SADER_FULL
segunda, 10 de dezembro de 2018
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Dívida milionária vinha sendo denunciada por empresário desde 2006

6 Set 2010 - 15h20Por MS Já
O empresário douradense Elizio Brites afirmou a redação do Jornal MS JÁ que o esquema de corrupção na prefeitura de Dourados vem sendo denunciado desde 2006, com a Ação Popular conhecida como o caso Cobracon. O valor da ação, no entanto, seria de R$ 53 milhões e deve, hoje, ultrapassar R$ 90 milhões.

Segundo informações de Brites, o prefeito de Dourados, Ari Artuzi, sabia que o precatório é fantasma, ou seja, “que nunca entrou um único centavo nos cofres da prefeitura”. Acontece que, mesmo assim, ele queria negociar uma dívida de R$ 200 milhões da Prefeitura com o banco Pontual, que estaria em fase de liquidação. Assim, negociariam a dívida com um escritório de advocacia de São Paulo para baixar a R$ 30 milhões e, a partir daí, conseguir a devolução de R$ 10 milhões, para a próxima campanha de Artuzi, em 2012.

“Eu mesmo o coloquei a par e ele com seus assessores constataram isso, dessa forma se estava tentando levantar R$ 10 milhões para sua campanha como denuncia o jornalista Eleandro Passaia na Operação Uragano, com certeza trata-se de mais uma falcatrua entre tantas outras apontadas”, enfatizou Brites.

De acordo com os relatos de Brites, o dinheiro do suposto empréstimo era para a construção da sede da prefeitura (O CAM) e que teve repercussão quando o engenheiro Paulo Figueiredo, inconformado, contratou advogados para ajuizar a Ação Popular conhecida como caso CAM e anulou em grau de apelação no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. “Recurso Extraordinário que, inicialmente, foi negado seguimento, mas através de um agravo hoje se encontra nas mãos do ministro Joaquim Barbosa no STF - Supremo Tribunal Federal”.

Brites diz ainda que ninguém foi punido até a presenta data e que apenas Figueiredo sofreu sanção. Além disso, ele diz que o engenheiro pagaria uma dívida aos verdadeiros culpados. “Mais um absurdo que precisa ser denunciado publicamente”, afirma.

O empresário enfatiza que o banco Pontual em tese não tem mais nada a receber desse montante (precatório) porque cedeu a totalidade de seus créditos para uma empresa fantasma que nem sede tem, denominada Cobracon, cujo endereço que consta na Receita Federal é uma cidadezinha do sertão do Ceará e não tem telefone para contato.

“Coloco-me à disposição da Policia Federal para prestar todos os esclarecimentos necessários e fornecer os documentos que comprovam toda essa roubalheira do dinheiro do contribuinte”, concluiu Brites.

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVARDIA
Mulher agride menino autista em playground e vídeo viraliza
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Nicolau descobre que Diana luta karatê e fica em choque
ACUMULOU
Ninguém acerta a mega-sena e prêmio acumula em R$ 30 milhões
VIOLENCIA
'Tiro, porrada e bomba': festa em universidade acaba em pancadaria e PM responde com violência
NOVELA GLOBAL
Gabriel confronta Valentina em “O Sétimo Guardião”
ARROCHO
Regra defendida por Bolsonaro tira R$ 1,1 mil por mês das novas aposentadorias
BARBÁRIE
Mulher é presa após atear fogo em cachorro
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Feliciano foi muito rico e ajudou Valentina no passado
SE DEU MAL
Assaltante é morto após fazer idosa de 83 anos refém no Rio de Janeiro
ROUBO MILIONÁRIO
Homens invadem banco, trocam tiros com polícia e fogem com R$ 1 milhão