Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 21 de abril de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Distrito de Picadinha está tensa em função de disputa de terras

19 Jun 2007 - 10h54
“Não se faz justiça, cometendo injustiça”, foi a frase de Darci Decian, 43, ao comentar a situa-ção de intranqüilidade vivida pelas dezenas de famílias moradoras no Distrito de Picadinha, a 20 quilômetro de Doura-dos, sentido Itahum.  Darci, acompanhado do presidente da Associação de Moradores da Picadinha, Neri Decian, 48, (Malhado) alegou que de uns três ou quatros anos para cá a harmonia que reinava na comunidade acabou, principalmente depois do surgimento da Associação Rural Dezidé-rio Felipe de Oliveira (ARQDEZ), que reivindica a posse de quase quatro mil hectares de terra no distrito. “Não temos nada contra ninguém, chega-mos na Picadinha no final da década de 70, compramos terras e pagamos o preço justo, não rou-bamos e não ocupamos espaço que não é o nosso”, brada.

“De uns tempos para cá, a coisa tomou rumo que pegou todos nós de sur-presa, na verdade a mai-oria do pessoal está sen-do usado como massa de manobra, por irresponsáveis que querem se be-neficiar politicamente”, adianta Darci. “Se o governo deseja realmente ajudar estas pessoas que compre outra área e en-trega para eles”, argumenta Malhado. Eles a-firmam que a comunidade, agora denominada Quilombola, conta com pessoas íntegras, traba-lhadoras e honestas e que respeita todos. “Essa gente trabalhava conos-co, eles usavam máqui-nas, óleo diesel, calcário, o que precisasse para plantar, não cobramos nada por isso e nunca negamos, sempre os auxiliamos”, afirma Malhado. “Foi uma facada pelas costas, mas eles não têm culpa, sabemos do interesse por traz disso, a verdade virá com certeza”, diz em tom de desabafo.

“Na Picadinha tem mora-dores como Antônio Eu-lógio Lopes e José Tibiri-ça, para citar exemplo, que conhecem a realida-de da localidade há vá-rios anos e nunca se ou-vira, falar em quilombola ou coisa parecida”. “Tem documentos comprobató-rios sobre a legitimidade de vendas de terras, não somos ladrões, bandidos, somos famílias honestas em busca de paz e que a harmonia que sempre perdurou na Picadinha possa retornar o breve possível”. “Nossa versão também precisa ser res-peitada”, diz.

MPF – O processo trami-ta no Instituo Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), e segun-do o Ministério Público Federal, que acompanha o caso, o Incra contra-tou o antropólogo que realizará os levantamen-tos, afim de identificar ou não, se a área é rema-nescente de Quilombo.   

 
 
Fátima News

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOENÇA DO SÉCULO
Yasmim Gabrielle, do ‘Programa Raul Gil’, se suicida após depressão
FATALIDADE
Bebê morre após ser esquecida pelo pai por três horas dentro do carro
IRRESPONSABILIDADE
Bebê de 1 aninho entra em coma alcoólico após pai dar cachaça com refrigerante
BONITO - MS - DICA AGÊNCIA ECO TOUR
Confira agora os 5 passeios mais românticos de Bonito (MS)
EM ÁUDIO VAZADO
Em áudio, Onyx diz que governo deu 'uma trava na Petrobras', caminhoneiros podem ficar sossegados
EMOÇÃO E RECOMEÇO
Mãe e filho se reencontram em hospital após desabamento de prédios
ACIDENTE FATAL
Três morrem em explosão provocada por vazamento de botijão de gás
NOVA PARALISAÇÃO
Ala dividida de caminhoneiros falam em greve no próximo dia 29 em todo o Brasil
CAMPO BELO RESORT - PARAÍSO É AQUI
Com noite Árabe e Italiana, PACOTE do dia 03 a 05 de maio já disponível para o Campo Belo Resort
NEGLIGÊNCIA FUNCIONAL
Menino de 12 anos foge de casa, burla esquema de segurança e embarca em avião