Menu
LIMIT ACADEMIA
sábado, 19 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Diretor do Presídio Federal de Catanduvas pede demissão

2 Jun 2007 - 10h24

O diretor da Penitenciária Federal de Catanduvas (PR), Ronaldo Urbano, pediu demissão do cargo anteontem. Mesmo dia em que uma comissão da Câmara dos Deputados visitou a penitenciária para checar os relatos de problemas.

A direção do Depen (Departamento Penitenciário Nacional), informou que não há relação entre os fatos. O órgão informou que a saída foi por iniciativa própria, ocorreu há alguns dias, e publicada no "Diário Oficial" somente anteontem.

O afastamento ocorreu 45 dias após a reportagem revelar problemas decorrentes de uma queda-de-braço entre o ex-diretor e agentes penitenciários da unidade, inaugurada em junho do ano passado, alardeada como superpresídio na época. Urbano não foi localizado ontem para comentar sua saída. A reportagem também não conseguiu contato com o Sindicato dos Agentes Penitenciários Federais de Catanduvas.

O delegado aposentado da PF Francisco de Assis assumiu a função interinamente. Destacado para dirigir o terceiro presídio federal de segurança máxima, que o governo deve inaugurar no próximo semestre em Mossoró (RN), Assis ficará na direção de Catanduvas até a escolha do próximo diretor.

Urbano dirigia a penitenciária desde sua inauguração. O traficante Luiz Fernando da Costa, o "Fernandinho Beira-Mar", foi o primeiro a ocupar a cadeia. Hoje são 164 detentos, com 208 vagas ao todo.

Relatório

Os problemas apontados no presídio constam em um relatório interno do serviço de inteligência da PF. O documento apontava a existência de agentes penitenciários com antecedentes criminais e desvios de conduta, falhas graves de segurança, influência de presos - como Beira-Mar - sobre os agentes e a prática de tortura contra presos, entre outros pontos.

A disputa interna na unidade, segundo o relatório, foi motivada pela decisão do Ministério da Justiça de vincular os agentes ao Depen, e colocar homens da PF nos cargos de chefia da cadeia. O Depen disse, na época, que o relatório retratava um cenário do período da inauguração do presídio, sem refletir a realidade da unidade.

A comissão que visitou Catanduvas ainda não apresentou o relatório. O deputado João Campos (PSDB-GO), presidente da comissão, confirmou a investigação sobre tortura, mas não constatou a influência de presos nem a possibilidade de comunicação externa.

 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos
LUTO NA MÚSICA
Cantor sertanejo Marciano morre aos 67 anos, vítima de enfarto
CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS