Menu
SADER_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Dirceu diz que falta moral ao PSDB para criticar

1 Set 2004 - 13h56
O ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, rebateu as críticas feitas pela oposição contra o projeto de lei das Parcerias Público-Privadas (PPPs) quanto ao futuros aportes de verbas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e dos fundos de pensão nos novos contratos. Dirceu disse que o PSDB não tem suporte moral para fazer reclamações.

Em entrevista coletiva no seminário "Lei Geral das Agências Reguladoras: Oportunidades e Desafios", Dirceu afirmou que o PSDB não posssui autoridade para fazer qualquer reclamação sobre a gestão do BNDES durante o governo Luiz Inácio Lula da Silva.

"O PSDB tem autoridade moral para falar de recursos do BNDES e dos fundos de pensão depois de tudo que aconteceu no País durante os oito anos em que eles governaram?", questionou ironicamente. "Eles quase quebraram o BNDES! Falar em fundos de pensão depois dos escândalos das privatizações? É muita pretensão".

Dirceu continuou reclamando da conduta da oposição e assegurou que não existe nenhuma maneira de acontecer qualquer escândalo parecido com as privatizações da infra-estrutura nos moldes desenhados para a PPP.

Para o ministro, o PSDB só pode criticar pois estamos em uma democracia, mas que não há suporte moral nem prático para as reclamações. Ele lembrou que a base do projeto em tramitação no Congresso Nacional é a mesma das parcerias já aprovadas nos governos estaduais.

Dirceu afirma que infra-estrutura é nova prioridade do governo
Para garantir que os investimentos sejam feitos no setor de infra-estrutura e que o crescimento da economia não seja estrangulado, o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, afirmou que o setor será prioritário para o governo nos próximos anos.

Para isso, o governo está disposto a desfazer entraves burocráticos na máquina administrativa. "Vamos arrombar as portas quando elas estiverem fechadas", garantiu o ministro.

A idéia ainda não é modificar nenhuma legislação, mas criar forças-tarefa e grupos de trabalho para agilizar a entrada dos investimentos nas obras mais urgentes. A área mais deficitária é a de ferrovias, a qual o próprio ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, tem apontado como a que sofreu o pior processo de privatização.

As rodovias também terão atenção do governo, principalmente as utilizadas para escoamento de produção, como a Fernão Dias, Régis Bittencourt, Norte-Sul e Transnordestina. Faz parte dos planos a modernização da BR-101 Sul. "Quero aqui fazer uma profissão de fé de que nós vamos resolver os problemas de infra-estrutura do País", afirmou o ministro.

 

 

RMT Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos