Menu
SADER_FULL
segunda, 15 de outubro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
DR. SHAPE
Brasil

‘Deus não é homem, nem mulher’, diz Bento XVI

13 Abr 2007 - 17h22

"Deus não é mãe, na Bíblia mãe é uma imagem, mas não um título de Deus", afirma o Papa Bento XVI em seu livro "Jesus de Nazaré", apresentado nesta sexta-feira (13) no Vaticano e com o qual convida o leitor a descobrir o chamado Jesus real, que ele diz não ser um mito.


Bento XVI faz essa afirmação em um dos capítulos de seu primeiro livro como Papa, no qual assinala que a comparação do amor de Deus com o amor de uma mãe existe, mas adverte que nem no Antigo nem no Novo Testamento Deus "jamais é invocado ou qualificado como mãe".

 

"Mãe na Bíblia é uma imagem, mas não um título de Deus", especifica o Pontífice, acrescentando que "Deus não é nem homem, nem mulher, é Deus, criador do homem e da mulher.


O Papa teólogo acrescenta que os cristãos rezam como Jesus ensinou, tendo como base a Sagrada Escritura (o Pai Nosso).


Com esta apreciação, o Sumo Pontífice corrige seu antecessor João Paulo I, que em 10 de setembro de 1978 durante a oração do Angelus disse que Deus era "pai e mãe".


"Deus é pai, mais ainda, é mãe. Os filhos se por acaso estão doentes têm uma condição a mais para serem amados pela mãe e se nós estamos doentes de maldade, fora do caminho, temos um motivo a mais para sermos amados pelo Senhor", disse naquela ocasião Albino Luciani, verdadeiro nome de João Paulo I.


O livro foi apresentado pelo cardeal arcebispo de Viena, Christoph Schönborn - ressaltando que Ratzinger não fala nele como Papa, mas como um simples cristão, e que o texto não é um escrito contra a exegese moderna -; pelo teólogo (protestante) Daniele Garrone e o filósofo progressista e prefeito de Veneza (Itália), Massimo Cacciari.


Garrone disse que Ratzinger quis fazer com o livro uma apologia da fé cristã, mas que existem dificuldades para "reconstruir o Jesus histórico", afirmando que elas surgem porque a vida de Jesus foi a de um homem "à margem" de seu tempo e que chegou até nós através do "fraco" testemunho de homens e mulheres daqueles anos.


O filósofo Cacciari disse que o livro ressalta o radicalismo da mensagem cristã e ressaltou que o Papa cita a frase de Nietzsche - também citado em sua encíclica Deus é amor - na qual o filósofo falava de Jesus "como o melhor homem que jamais existiu".


O livro - no qual Joseph Ratzinger afirma que Cristo é uma realidade, que não é um mito, mas um homem de carne e osso que morreu e ressuscitou - será lançado no próximo dia 16 com uma primeira tiragem na Itália de 350 mil exemplares.


Na Alemanha serão 250 mil, segundo informou a editora Rizzoli, encarregada pela Biblioteca do Vaticano da venda dos direitos autorais no mundo todo.
A obra será lançada em italiano, alemão e polonês, e mais tarde em outros 22 idiomas, entre eles português e espanhol.

 

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

ASSASSINATO
Rapaz agride avós de adolescente que não quis namorar com ele; avó morreu
TRAGEDIA NA RODOVIA
Carro ocupado por sete pessoas se envolve em acidente; cinco morreram
REVOLTANTE
Menina de 11 anos é estuprada por detento ao visitar irmão em presídio
ACIDENTE FATAL
Douradense morre em acidente no RS
REALITY SHOW
A Fazenda 10: Ana Paula é eliminada e se manifesta contra Bolsonaro
FACÇÃO CRIMINOSA
Decapitada por Satã do PCC, jovem morreu por exigir respeito após roubo de chinelo
REVISTA VEJA
Pesquisa: Bolsonaro tem 54% dos votos válidos; Haddad, 46%
A FAZENDA
Fazendeiro Evandro Santo gera nova punição
COPA DO BRASIL
Corinthians promete maior prêmio de sua história por título
VIOLENCIA
Jovem não reage a assalto mesmo assim é baleado dentro de ônibus