Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 21 de novembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Deputados aprovam criação de cargos comissionados na Sanesul

23 Mai 2007 - 14h40

A sessão de hoje da Assembléia Legislativa seria ordinária. Mas, pouco antes da votação do único projeto na ordem do dia, o deputado estadual Onevan de Matos (PDT) protestou com veemência contra o PL (Projeto de Lei) 76/07, em que o governo estaria “criando” 202 cargos em comissão do quadro gerencial da Sanesul – Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul.

Onevan criticou o PL, de iniciativa do Executivo estadual, argumentando que se no governo a ordem é economizar o projeto é inadequado. Segundo o parlamentar, o projeto é um “trem da alegria”, que, portanto, não poderia ser votado a “toque de caixa”.

Toque de caixa porque o PL foi lido na Assembléia na semana passada, na sessão do dia 17 de maio, e teve parecer favorável da CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) ontem por unanimidade e levado à primeira votação na sessão de hoje por acordo de líderes em regime de urgência.

Embora tendo protestado, Onevan não votou contra, em plenário. Segundo ele, porque não está criticando a constitucionalidade, mas – completou – a falta de discussão. Na próxima semana, o PL deverá ser levado à segunda votação, quando será avaliado o mérito.

Explicação

O PL foi enviado pelo Executivo para se adequar à determinação do MPT (Ministério Público do Trabalho ), que movia ação contra a Sanesul, que, por sua vez, mantém 202 cargos em comissão sem previsão legal, admitidos sem concurso público. Portanto, o PL regulariza a situação desses servidores criando os respectivos cargos, já que não deverá haver concurso, conforme texto do projeto.

O projeto deverá regularizar todo o quadro gerencial da empresa, desde o do diretor-presidente da Sanesul, José Carlos Barbosa, que recebe R$ 5.492,85, até o cargo de assistente, com salário de R$ 772,92.

A urgência da votação é devido ao prazo estabelecido pelo MPT. O ministério havia suspendido a ação em acordo com a empresa por seis meses a contar de 22 de setembro de 2006, ou seja, o prazo teria expirado em março.

Mas, Onevan foi irredutível, disse que não concorda com o projeto, e foi contra a posição do seu líder na Casa , deputado Antônio Braga (PDT), que concordou com os demais pelo acordo de votação em regime de urgência.

 

 

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem que matou filho para defender a nora comete suicídio
INJUSTIÇA
Familiares prestam homenagem a laçador de cães que morreu após ser hostilizado
FORAGIDO
Mulher é morta a facadas pelo ex-marido, que não aceitava fim de relacionamento
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Valentina conta a Egídio que Gabriel é filho dele
CRUELDADE
Idosa de 106 anos é assassinada a pauladas no Maranhão
NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)