Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 19 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Deputados ameaçam retaliar Enersul por abuso na tarifa

11 Mai 2007 - 10h13

O reajuste de 8,05% no preço da energia para os consumidores industriais do Estado, em abril, pode voltar a estremecer as relações do governo e os deputados estaduais com a Enersul (Companhia Energética do Estado). 

O impasse ficou claro ontem à noite, após uma reunião em que a Enersul foi convocada a explicar o reajuste, na sede da Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul). As explicações, no entanto, não convenceram empresários, representantes do governo e deputados presentes ao encontro.

Em abril, a Enersul reajustou, aleatoriamente, a energia em 8,05%, contra um aumento de 2,58% autorizado para o período pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

De acordo com a empresa, o aumento além do autorizado pela agência aconteceu devido a incidência de impostos como ICMS, PIS e Cofins, variáveis mês a mês.

O presidente da Frente Parlamentar de Apoio à Indústria na Assembléia Legislativa, deputado Paulo Corrêa (PR), não aceitou o argumento da concessionária e defendeu a união de forças entre os poderes executivo e legislativo para  fazer com que a Enersul cumpra o acordo feito no mês de abril, quando foi definido o aumento de 2,58%.

"A Enersul tenta justificar o injustificável", ressaltou o parlamentar, que no mês passado acompanhou o presidente da Assembléia Legislativa, deputado Jerson Domingos (PMDB) em uma reunião com diretores da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) em Brasília.

Na oportunidade, a agência reguladora anunciou uma revisão dos índices de reajustes e determinou o aumento máximo de 3,2% para consumidores residenciais e 2,58% para os industriais. A empresa queria 21,7%.

Algumas indústrias, no entanto, observaram, nos últimos dias, um acréscimo de mais de 8% em suas contas de energia elétrica. A constatação motivou uma nova discussão sobre o tema. "As tarifas abusivas são um entrave para o desenvolvimento do nosso Estado", afirmou Paulo Corrêa. Segundo dados da Fiems, a quantidade atual de indústrias no Mato Grosso do Sul é menor que em 2001.

Nesta sexta-feira (11), Paulo Corrêa deve acompanhar Jerson Domingos numa audiência com o governador André Puccinelli (PMDB), para discutir o assunto. "Vamos às últimas conseqüências. Seremos enérgicos", concluiu o parlamentar.

 

 

Conjuntura Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos
LUTO NA MÚSICA
Cantor sertanejo Marciano morre aos 67 anos, vítima de enfarto
CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS
DECEPCIONADA
Regina Duarte surpreende e se posiciona contra atitude de Bolsonaro
SATÂNICO
Mulheres são presas acusadas de torturar criança de apenas dois anos que teve rosto desfigurado
INSPIRAÇÃO
Idoso se forma em Direito aos 94 anos, após morte da esposa
POLEMICA
Movimento Gay quer tirar Bíblia de circulação no Brasil, diz Damares