Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 18 de dezembro de 2018
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Deputado Ficha Suja tem mais uma derrota no Tribunal de Justiça

3 Jul 2010 - 07h15Por Fátima News com assessoria

O deputado Dagoberto Nogueira, que ficou conhecido como político Ficha Suja do Estado, obteve mais uma derrota no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. Os desembargadores Luiz Tadeu Barbosa Silva, Sideni Soncini Pimentel e Vladimir Abreu da Silva decidiram por unanimidade, no dia 17 de Junho, rejeitar seu recurso de embargos da declaração da apelação cível, que o condenou por improbidade administrativa, sob a acusação de privatizar a Polícia Militar, no dia 29 de abril deste ano. Com esta decisão, o Tribunal Regional Eleitoral passa a ter mais uma evidência para impugnar a candidatura de Dagoberto ao Senado.

A condenação deve-se ao fato da segurança pública ter sido destinada a grupos particulares, que pagavam a empresa AGS para manter o serviço de monitoramento, e tinham a sua disposição o efetivo da própria Polícia Militar para fazer os atendimentos que fossem necessários, em detrimento de toda a coletividade que não participava dos “serviços de monitoramento”. A Polícia Militar chegou a comprar um aparelho no valor de R$ 2 mil, sem licitação, para atender os interesses dos clientes particulares, com autorização de Dagoberto, que exercia o cargo de secretário de Justiça e Segurança Pública.

O deputado federal “Ficha Suja”, por meio dos seus advogados Naudir de Brito Miranda e André Luiz Borges, tentou argumentar que ocorreu omissão no acórdão do Tribunal de Justiça porque antes da sessão de julgamento apresentou questão de ordem pública, alegando que na época dos fatos ocupava o cargo de Secretário de Estado e que acabou sendo processado pelo Ministério Público em fez de um procurador de Justiça.

O relator do processo, desembargador Luiz Tadeu Barbosa Silva, esclareceu que “em que pese o conhecimento do recurso repele-se o em seu mérito porque a ação civil pública tem cunho civil, e não penal, circunstância que refuta a prerrogativa de função e, por via de consequência ilegitimidade ativa do parquet de primeiro grau”.

Segundo ele, a lei de improbidade administrativa alcança todo aquele que exerce, ainda que transitoriamente ou sem remuneração, por eleição, nomeação, designação, contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo, emprego ou função. Ele deixou claro que “não se há falar, no caso específico destes autos, de incompetência funcional do Promotor de Justiça Estadual para a propositura da ação civil pública”.

O desembargador lembrou que o inquérito civil em apenso foi aberto em 2004 e que a presente ação civil pública foi proposta pelo Ministério Público Estadual, representado pelo Promotor Público Estadual, em junho de /2006. Desta forma, ele afirmou que “não resta dúvida de que por força da liminar concedida pelo STF na ADI 1916/MS, a vigência da norma que legitimava tão somente o Procurador-Geral de Justiça para a propositura da presente Ação Civil Pública, encontrava-se suspensa, ou seja, sem qualquer validade jurídica. Eis, portanto, a motivação pela qual improvê-se este declaratório”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

A QUE PONTO CHEGAMOS
Mãe mata o próprio filho após ser flagrada com amante pelo menino
MINÍSTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Tereza Cristina anuncia seis secretários para Ministério
FAMOSIDADES
Silvio Santos se pronuncia sobre polêmica com Claudia Leitte e reage a campanha feminista
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Sóstenes cometeu crime por amor a Luz
ABUSO SEXUAL
João de Deus se entrega para a polícia
ACIDENTE
Criança de dois anos se enforca com a alça da bolsa enquanto brincava em escola
CASO JOÃO DE DEUS
Marina Ruy Barbosa intervém no caso João de Deus e impede uma grande tragédia
PRISÃO DECRETADA
Justiça de Goiás decreta prisão de João de Deus
STARTUPS NO BRASIL JÁ É SUCESSO
O sucesso das startups no Brasil e algumas novas apostas no mercado
REVOLTANTE
Filha de João de Deus diz que foi abusada dos 10 aos 14 anos: 'Meu pai é um monstro'