Menu
LIMIT ACADEMIA
domingo, 15 de setembro de 2019
SADER_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Delegados da PF devem parar por reajuste salarial

20 Mar 2007 - 04h23
Os delegados da Polícia Federal (PF) devem realizar uma paralisação de 24 horas no próximo dia 28 para reivindicar um reajuste salarial. "Não funcionaremos em todo o Brasil", afirmou o presidente da Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), Sandro Torres Avelar, em entrevista à Agência Estado.

A paralisação ocorrerá no mesmo dia em que o Departamento de Polícia Federal completará 44 anos de criação. O motivo da ação, segundo Avelar, é o não cumprimento de um acordo assinado no dia 2 de fevereiro de 2006 com o então ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos.

Segundo o compromisso, haveria um reajuste salarial de 70% dividido em duas parcelas - de 35% cada. De acordo com Avelar, já estava "tudo acertado com a equipe econômica do governo federal". "Após uma exaustiva negociação ao longo de 2005, conseguimos chegar a este acordo, mas recebemos a primeira parcela em julho e não recebemos o restante", disse.

O presidente da ADPF afirmou também que, desde a assinatura do acordo, a categoria fez diversas cobranças ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Não é mais uma negociação ou uma luta", argumentou Avelar. "Queremos apenas o cumprimento do acordo."

Reajuste salarial

De acordo com Avelar, a intenção da paralisação é diminuir a diferença salarial da categoria em relação a outros órgãos criminais da União, como o Ministério Público (MP) e a Magistratura Federal. "Não é questão de equiparação, mas os perfis de um agente da Polícia Federal e do Ministério Público são muito parecidos", salientou. "Hoje, o salário inicial da PF é menos da metade do que o de um membro do MP."

O presidente da ADPF afirmou ainda que o clima na instituição é "muito ruim". "Estão todos insatisfeitos", disse Avelar. "Assim não está dando para trabalhar em projetos de interesse da PF e da sociedade." Segundo ele, um policial federal recebe cerca de R$ 4 mil e um delegado, por volta de R$ 7 mil. "Enquanto isso, outras carreiras do Estado chegaram a ter reajustes de mais de 300%", concluiu.

Por fim, Avelar disse esperar que, com a paralisação, o governo cumpra o que foi acordado em 2006. A troca do ministro da Justiça pelo petista Tarso Genro, que tomou posse na sexta-feira, 16, não desanimou o presidente da ADPF. "Acreditamos que este problema não vai persistir", disse. "O ministro da época, Márcio Thomaz Bastos, se empenhou pelo acordo e o Tarso Genro também deverá ser sensível à causa."

Deixe seu Comentário

Leia Também

ASSASSINATO
PM é torturado e morto após circular boato de que seria 'estuprador'
JULGAMENTO
PMs acusados de chacina taparam câmera de segurança antes do crime
CASO DE POLÍCIA
Catador de reciclável recebe mochila com bebê congelado dentro
LUTO NA MÚSICA
Cantor sertanejo morre após carro bater em árvore em rodovia de MS
FAMOSOS
David Brazil causa ao expor bumbum de Anitta sem ela saber
ACIDENTE FATAL
Câmera de segurança registrou acidente fatal de enfermeira. VEJA O VÍDEO
MONSTRUOSIDADE
Homem que matou mãe e filha em Cascavel escreveu carta. Bebê tomou mamadeira “batizada”
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Mulher e marido são presos suspeitos de estuprar menina de 11 anos que dormia na casa deles
SUPERSTIÇÃO
Primeira sexta-feira 13 do ano com noite de lua cheia pode ser perigosa, alerta taróloga
ESPORTE
Poderá o poker se tornar olímpico?