Menu
LIMIT ACADEMIA
terça, 14 de agosto de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Delcídio diz que é preciso "cautela" sobre aliança PT-PMDB

21 Out 2004 - 09h41

O senador Delcídio do Amaral (PT) sugeriu há pouco, em entrevista na rádio FM Capital, "cautela" em relação à sucessão estadual de 2006, especialmente em relação à discussão sobre a verticalização, com a possibilidade de uma aliança nacional entre PT e PMDB se dar também no plano estadual.

Para ele, é preciso aguradar o segundo turno das eleições municipais, especialmente a de São Paulo (SP). "Estas eleições trarão reflexos no Congresso e especialmente no Senado. E as articulações políticas tem de levar em conta um desenho de acordo com realidade política do País em 2005", observou.

Se as relações no Congresso Nacional continuarem afinadas, Delcídio admite que o PMDB será parceiro principal do PT para o pleito de 2006. "Mas tem de ter cautela. Plano federal vai impactar política nos estados e em Mato Grosso do Sul há polarização muito grande entre PT e PMDB", afirmou.

Alertou que também é preciso aguardar a reforma política. "Um dos principais temas do Congreso é a reforma política, na qual se discutirá a verticalização, a cláusula de barreira, o financiamento público de campanha", citou.

CONJECTURAS - As especulações sobre possíveis acordos políticos, como a possibilidade de o vice-governador Egon Krackekhe ir para o Tribunal de Contas e o presidente da Assembléia Legislativa assumir o governo do Estado com possibilidade de se candidatar à reeleição, na opinião de Delcídio, não passam de "conjecturas, hipóteses, simulações feitas pela classe política".

Para ele, é muito cedo para se trabalhar com um quadro tão consolidado como esse que acabou de se descrever. "Isso tem de ser discutido partidariamente. Zeca tem se empenhado na construção dos dois próximos anos do governo, inclusive com parcerias com aliados para 2006", apontou.

Argumentou que pela sua experiência, as coisas não são tão fáceis assim como nas conjecturas feitas pelos políticos. "Está-se mexendo com muitas pessoas, debates e discussões partidárias fortes. Está-se mexendo com partidos que têm lideranças importantes. Me surpreendo quando se quer montar projeto com tanta antecedência. Nem terminamos eleição de 2004 e já se monta projeto para 2006", comentou.

Questionado sobre a suposta divisão do PT entre sua candidatura ao governo do Estado e a do atual vice Egon Krackekhe, Delcídio disse que esssa também é uma hipótese lançada. "Isso mostra que isso é muito incipiente. Isso tem de ser discutido à exaustão. O processo eleitoral tem de ser debatido no momento certo", afirmou ele.

Política, ensina o senador, é a arte de humildade, de se ouvir, de ter serenidade, de não ter arrogância, presunção. "É a arte de saber hora de entrar e a hora de sair", disse.

 

 

MS Notícias

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Roberval é traficante de diamante
NOVELA DA RECORD
Herodíade diz que foi agarrada por Batista e Joana a chama de mentirosa.
ESTUPRO VULNERÁVEL
Criança desabafa com amiga de classe que era estuprada por padrasto; ele está foragido
CABRA MACHO
Exigência de masculinidade: edital de concurso da PMPR causa polêmica
FAMOSIDADES
Silvio Santos reclama da filha: 'Patrícia não faz nada e ganha um belo salário'
BELEZA
Piauiense que venceu Miss Brasil Mundo 2018 diz que já passou fome e teve preparação forte
NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Beto pede separação a Karola e vilã finge aceitar
NOVELA DA RECORD
Jesus enfrenta o Satanás no deserto.
FÁTIMA DO SUL - DIA DOS PAIS É NO O BOTICÁRIO
O Boticário ficará aberto neste sábado até às 15h, confira as promoções Dia dos Pais em Fátima do Su
CRUELDADE
Câmeras flagram mulher que abandonou bebê em lixeira de banheiro; veja o vídeo