Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 19 de março de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Delcídio diz que é preciso "cautela" sobre aliança PT-PMDB

21 Out 2004 - 09h41

O senador Delcídio do Amaral (PT) sugeriu há pouco, em entrevista na rádio FM Capital, "cautela" em relação à sucessão estadual de 2006, especialmente em relação à discussão sobre a verticalização, com a possibilidade de uma aliança nacional entre PT e PMDB se dar também no plano estadual.

Para ele, é preciso aguradar o segundo turno das eleições municipais, especialmente a de São Paulo (SP). "Estas eleições trarão reflexos no Congresso e especialmente no Senado. E as articulações políticas tem de levar em conta um desenho de acordo com realidade política do País em 2005", observou.

Se as relações no Congresso Nacional continuarem afinadas, Delcídio admite que o PMDB será parceiro principal do PT para o pleito de 2006. "Mas tem de ter cautela. Plano federal vai impactar política nos estados e em Mato Grosso do Sul há polarização muito grande entre PT e PMDB", afirmou.

Alertou que também é preciso aguardar a reforma política. "Um dos principais temas do Congreso é a reforma política, na qual se discutirá a verticalização, a cláusula de barreira, o financiamento público de campanha", citou.

CONJECTURAS - As especulações sobre possíveis acordos políticos, como a possibilidade de o vice-governador Egon Krackekhe ir para o Tribunal de Contas e o presidente da Assembléia Legislativa assumir o governo do Estado com possibilidade de se candidatar à reeleição, na opinião de Delcídio, não passam de "conjecturas, hipóteses, simulações feitas pela classe política".

Para ele, é muito cedo para se trabalhar com um quadro tão consolidado como esse que acabou de se descrever. "Isso tem de ser discutido partidariamente. Zeca tem se empenhado na construção dos dois próximos anos do governo, inclusive com parcerias com aliados para 2006", apontou.

Argumentou que pela sua experiência, as coisas não são tão fáceis assim como nas conjecturas feitas pelos políticos. "Está-se mexendo com muitas pessoas, debates e discussões partidárias fortes. Está-se mexendo com partidos que têm lideranças importantes. Me surpreendo quando se quer montar projeto com tanta antecedência. Nem terminamos eleição de 2004 e já se monta projeto para 2006", comentou.

Questionado sobre a suposta divisão do PT entre sua candidatura ao governo do Estado e a do atual vice Egon Krackekhe, Delcídio disse que esssa também é uma hipótese lançada. "Isso mostra que isso é muito incipiente. Isso tem de ser discutido à exaustão. O processo eleitoral tem de ser debatido no momento certo", afirmou ele.

Política, ensina o senador, é a arte de humildade, de se ouvir, de ter serenidade, de não ter arrogância, presunção. "É a arte de saber hora de entrar e a hora de sair", disse.

 

 

MS Notícias

Deixe seu Comentário

Leia Também

ASSÉDIO SEXUAL
Homem é morto a tiros após assediar mulher casada
FATALIDADE
Mulher morre ao cair de pé de abacate e bater cabeça na linha do trem
MANIACO SEXUAL
Pai flagra estupro da filha dentro de casa usando o celular, suspeito foi preso
FAMOSIDADES
Quem era Bettina antes do R$ 1 Milhão: Ela foi professora de balé, modelo e panfleteira
MENTOR DO MASSACRE
Polícia de Suzano apreende menor suspeito de planejar ataque
INTERNADO
Criança de 4 anos cai em poço de cinco metros de profundidade
RESGATADO
Cão abandonado em ilha estava sendo comido vivo por urubus
SEXTUPLOS
Americana dá à luz seis bebês em nove minutos
TRAGÉDIA EVITADA
Garoto de 11 anos leva faca na mochila para matar colega no ônibus escolar
ALERTA AOS PAIS
Menino de quatro anos corta os pulsos em Goioerê e pode ser influência da Momo