Menu
SADER_FULL
sexta, 17 de janeiro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
BANNER BET
Brasil

Déficit de luz no campo será zerado até o fim de 2006 em MS

26 Jul 2004 - 07h09
O secretário de Estado Desenvolvimento Agrário, Valteci Ribeiro de Castro, afirmou que o programa Luz para Todos, do governo federal, é essencial para a inclusão social e do desenvolvimento dos assentamentos - com a geração de renda e empregos - e da economia local. “Para que o campo se torne produtivo e desenvolvido economicamente e socialmente, o programa vale a pena, principalmente com o compromisso do Governo Popular com o desenvolvimento dessas ações”, afirmou durante a assinatura de ordens de serviço de 894 propriedades rurais de 11 assentamentos dos municípios de Rio Brilhante, Ponta porá, Jaraguari, Itaquiraí, Mundo Novo, Jardim e Sidrolândia. O investimento é de R$ 4.324.200,00 para beneficiar 4.680 pessoas.

O secretário de Desenvolvimento Agrário considerou a última semana como sendo de êxito para o Governo Popular, com o lançamento de créditos para a Agricultura Familiar e o lançamento do Plano Safra 2004-2005, que prevê liberação de R$ 1,4 bilhão no Estado. “O governo federal tem se destacado na questão de créditos e comercialização agrícola. Somente em Mato Grosso do Sul, a agricultura familiar avançou de 5 mil contratos para 12 mil no último ano”, afirmou.

As próximas ações do Governo Popular junto a pequenos produtores é no setor de infra-estrutura, na recuperação de assentamentos com implantação de redes de água, luz e inclusive o atendimento de assistência técnica em 100% dos assentamentos de Mato Grosso do Sul até o fim de 2004.

Segundo Valteci de Castro, foram assentadas no Brasil 524.380 famílias entre 1995 e 2002, das quais 88,3% não tiveram acesso à luz; 92,3% não receberam abastecimento de água; 81,3% não tiveram acesso a estradas e 52,7% não tiveram acesso a assistência técnica rural. Em Mato Grosso do Sul, 73% dos cerca de 40 assentamentos não possuem energia elétrica e receberão o benefício até o fim de 2006.

Na opinião de Valteci de Castro, ações como a implantação de energia elétrica em assentamentos gera desenvolvimento humano, como pode ser comprovado com o índice de Desenvolvimento Humano de Mato Grosso do Sul, que passou do 16º lugar no ranking nacional, para o 7º colocado. A mesma opinião tem a assentada Eli Marques, do assentamento Dorcelina Folador em Ponta Porã, que acredita na melhoria da informação das pessoas, em mais segurança e até mesmo da educação nas escolas que atendem as crianças assentadas com a chegada da energia elétrica.

“Teremos muito mais qualidade de vida para as 270 famílias assentadas e vamos inclusive poder impulsionar a pequena indústria que temos”, disse Eli Marques. Há três anos no assentamento Dorcelina Folador, Carlos Castelar vê a possibilidade de melhorar a produção agropecuária com a energia elétrica que vai chegar ao assentamento. Segundo ele, a alimentação do gado será beneficiada com a chegada da luz e também a família terá mais lazer e informação. “Com esse benefício, temos a certeza de que o governo está executando ações por nós”, concluiu.
 
Agência Popular

Deixe seu Comentário

Leia Também

A CASA CAIU
Mulher acha que marido morreu, busca detetive e descobre traição: 'Agora é ex'
LUTO - IASD
Morre primeiro líder máster de desbravadores investido no Brasil
OVNI OU SATÉLITE?
Objetos não identificados no céu chamam a atenção de moradores
SANGUE FRIO
Homem mata desafeto e continua vendendo picolé nas ruas da cidade
PERIGO DA NARGUILÉ
Jovem contrai doença após fumar narguilé e alerta: 'Abandonem essa porcaria'
100 CULTURA
Escola joga pela janela livros que recebeu como doação
EMPREGADO
Jovem que salvou criança de ataque de pitbull consegue emprego
DINHEIRO NA PRAÇA
Começa hoje o pagamento de abono salarial do PIS-Pasep
ALERTA GERAL
EUA emitem alerta para que turistas evitem visitar cidades de MS e outros locais do Brasil
CONTRABANDO
Polícia apreende cinco mil agulhas de tatuagem na fronteira do Brasil com Paraguai