Menu
LIMIT ACADEMIA
domingo, 25 de agosto de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Déficit de luz no campo será zerado até o fim de 2006 em MS

22 Jul 2004 - 13h29
 

O secretário de Desenvolvimento Agrário, Valteci Ribeiro de Castro afirmou que o programa Luz para Todos do governo federal é essencial para a inclusão social e do desenvolvimento dos assentamentos, com a geração de renda, empregos e da economia local. “Para que o campo se torne produtivo e desenvolvido economicamente e socialmente o programa vale a pena, principalmente com o compromisso do governo do Estado com o desenvolvimento dessas ações”, afirmou durante a assinatura de ordens de serviço de 894 propriedades rurais de 11 assentamentos dos municípios de Rio Brilhante, Ponta porá, Jaraguari, Itaquiraí, Mundo Novo, Jardim e Sidrolândia.

O investimento é de R$ 4.324.200,00 para beneficiar 4.680 pessoas. O secretário de Desenvolvimento Agrário considerou a última semana como sendo de êxito para o Governo Popular, com o lançamento de créditos para a Agricultura Familiar e o lançamento do Plano Safra 2004-2005, que prevê liberação de R$ 1,4 bilhão no Estado. “O governo federal tem se destacado na questão de créditos e comercialização agrícola. Somente em Mato Grosso do Sul, a Agricultura Familiar avançou de 5 mil contratos para 12 mil no último ano”, afirmou.

As próximas ações do Governo Popular junto a pequenos produtores é no setor de infra-estrutura na recuperação de assentamentos com implantação de redes de água, luz e inclusive o atendimento de assistência técnica em 100% dos assentamentos de Mato Grosso do Sul até o fim de 2004. Segundo Valteci Castro, foram assentadas no Brasil 524.380 famílias entre 1995 e 2002, das quais 88,3% não tiveram acesso a luz; 92,3% não receberam abastecimento de água; 81,3% não tiveram acesso a estradas e 52,7% não tiveram acesso a assistência técnica rural.

Em Mato Grosso do Sul, 73% dos cerca de 40 assentamentos não possuem energia elétrica e receberão o benefício até o fim de 2006. Na opinião de Valteci de Castro, ações como a implantação de energia elétrica em assentamentos gera desenvolvimento humano, como pode ser comprovado com o índice de Desenvolvimento Humano de Mato Grosso do Sul, que passou do 16º lugar no ranking nacional, para o 7º colocado. A mesma opinião tem a assentada Eli Marques, do assentamento Dorcelina Folador em Ponta Porã, que acredita na melhoria da informação das pessoas, em mais segurança e até mesmo da educação nas escolas que atendem as crianças assentadas com a chegada da energia elétrica.

“Teremos muito mais qualidade de vida para as 270 famílias assentadas e vamos inclusive poder impulsionar a pequena indústria que temos”, disse. Há três anos no assentamento Dorcelina Folador, Carlos Castelar vê a possibilidade de melhorar a produção agropecuária com a energia elétrica que vai chegar até o assentamento. Segundo ele, a alimentação do gado será beneficiada com a chegada da luz e também a família terá mais lazer e informação. “Com esse benefício, temos a certeza de que o governo está executando ações por nós”, concluiu.

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

A CASA CAIU
Homem pede divórcio ao descobrir que não é pai de nenhum dos nove filhos
ESTADO GRAVE
Homem ateia fogo em mulher e filha de 4 anos 80% do corpo queimado
SURPRESA E FÉ
Homem que morava em uma barraca ganha casa reformada
JUSTIÇA PROPRIAS MÃOS
Suspeito de ter estuprado criança é assassinado por lideranças de bairro
ASSISTA A REPORTAGEM
Família da modelo Mylena Mendes, que morreu em acidente faz protesto no Fórum
NOVELA GLOBAL
Régis confessa que forjou DNA de Arthur em 'A dona do pedaço'
FOGO NA AMAZONIA
Macron diz que Bolsonaro mentiu, e Europa ameaça retaliar Brasil
TURISMO
Curtir a Cidade Maravilhosa com pacotes de viagens baratos
FUTEBOL - PAIXÃO NACIONAL
Uma estrutura confiável para resultados de futebol
POSSE DE ARMA
Posse de arma em toda extensão da fazenda é aprovada e segue para sanção