Menu
LIMIT ACADEMIA
terça, 20 de agosto de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Criadores de búfalos querem ganhar espaço

19 Ago 2004 - 10h11

Com mais de três milhões de cabeças, segundo estimativas não oficiais, o Brasil tem o maior rebanho de búfalos do Ocidente. Para aproveitar o potencial do país na produção de derivados lácteos e no abate de animais, os produtores nacionais estão intensificando ações para melhorar a qualidade genética desse rebanho, incluindo a elaboração de projetos que serão enviados aos Ministérios da Ciência e Tecnologia e da Agricultura.

O objetivo é estruturar a cadeia produtiva de leite e carne, conseguir suporte para pesquisas e manejo, criar linhas de financiamento para capacitação técnica e de pessoal, além de obter apoio para um cadastramento nacional do rebanho. "Há uma demanda potencial interna e externa para os produtos derivados de búfalo, mas é preciso organizar a cadeia e desenvolver técnicas adequadas ao país", afirma o presidente da Associação Brasileira de Criadores de Búfalos (ABCB), Otávio Bernardes.

Segundo ele, o primeiro dos projetos que serão apresentados ao Ministério da Agricultura envolve o cadastramento nacional do rebanho bubalino do país. "Deveremos iniciar o cadastramento em novembro, durante exposição na Bahia. Esse levantamento terá apoio das associações estaduais e começará com ou sem o apoio do ministério", garante Bernardes. Um dos objetivos é "corrigir" as estatísticas do governo, que apontam um rebanho brasileiro de apenas 1,2 milhão de cabeças.

Cálculos da ABCB mostram que a receita potencial gerada com o abate anual de cerca de 23% do rebanho nacional é de R$ 800 milhões. O potencial de faturamento anual no caso da produção de leite (considerando um milhão de matrizes) é de R$ 1 bilhão. Apesar desses números, o segmento não trabalha com dados confiáveis. A razão está no grande número de laticínios informais e na venda de carne de búfalo como se fosse de boi.

Isso acontece em razão da maior alíquota de ICMS, que chega a 17% contra 4% do gado bovino em alguns Estados, e da falta de conhecimento do mercado sobre a carne de búfalo. Cerca de 90% dela, hoje, são comercializadas como sendo bovina. Alguns Estados, como Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Bahia, já têm, contudo, produtos rotulados como de origem bubalina.

"O consumidor ainda prefere a carne de boi. Como praticamente não há diferença de uma para outra, muitos produtores acabam vendendo a carne de búfalo como sendo bovina", explica Bernardes.

O cadastramento do rebanho associado a uma campanha de marketing e conscientização serviria para regularizar a venda da carne. A integração com o Sistema Brasileiro de Identificação e Certificação de Origem Bovina e Bubalina (Sisbov) também é uma opção para melhorar a qualidade dos dados.

Outros projetos envolvem o desenvolvimento de pesquisas de melhoramento genético do rebanho bubalino, além de questões relativas ao manejo, criação de núcleos regionais para capacitação técnica e de processos de produção de derivados lácteos, criação de linhas de financiamento para capacitação e processos produtivos; desenvolvimento de tecnologias para melhoria da produtividade industrial e a publicação de material específico sobre o tema.

Com apoio do governo, os produtores esperam exportar matrizes para outros países da América do Sul, como a Venezuela. "Por falta de protocolo sanitário não podemos exportar matrizes", diz.

Deixe seu Comentário

Leia Também

100 TETO
Na busca por emprego, homem 'mora' em abrigo de papelão
PÂNICO NO ÔNIBUS
Atirador de Elite mata homem que fez reféns em ônibus
AGORA DEU MEDO
Velório é interrompido após morto 'apertar' mão da esposa
TRAGEDIA NA RODOVIA
Três pessoas morrem em acidente envolvendo carro e caminhão na BR-277
FATALIDADE
Jovem mulher morre ao levar choque usando o secador de cabelos
ABSURDO - BRASIL
Mulher mata o marido a facadas e leva pênis para a amante dentro de um copo
MORTE E COMOÇÃO
Jovem caminhoneira morre em acidente e comove colegas de toda a região
FACULDADE
Irmãs estudantes de engenharia vendem doces nos trens do Rio para se sustentar
MUITA FUMAÇA
Crianças passam mal em incêndio que dura três dias
VICENTINENSE DE CORAÇÃO
Após 30 anos dividindo palco, Erika Figueiredo aposta no solo e lança clipe, ASSISTA