Menu
SADER_FULL
quarta, 17 de outubro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Criação de vagas com carteira assinada cai 16% em fevereiro

28 Mar 2007 - 06h00
O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho registrou em fevereiro a criação de 148.019 novos empregos com carteira assinada. O resultado foi 16,2% menor do que o verificado no mesmo mês de 2006, quando foram gerados 176.632 novos postos de trabalho.

No bimestre, o Caged, que registra todas as demissões e admissões feitas pelas empresas que contratam pelas regras da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), acumula um saldo positivo de 253.487 novos empregos, contra 263.248 registrados em igual período do ano passado.

O ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, classificou o resultado de fevereiro como "bom e dentro das expectativas" do governo. "O resultado não nos surpreendeu", comentou.

Marinho disse que a redução no ritmo de geração de novos empregos com carteira assinada no mês pode ser explicada pelo fato de fevereiro de 2006 ter concentrado um grande número de "feiras e eventos turísticos" em grandes cidades do sul e sudeste. Para o ministro, é cedo para falar qual será a tendência do ano no mercado de trabalho. "Somente em maio poderemos ter uma visão mais geral", afirmou.

Todos os grandes setores da economia registraram mais contratações do que demissões de trabalhadores, sendo que os serviços geraram 62,8 mil novas vagas, a indústria de transformação ficou positiva em 30,8 mil novos postos e a agropecuária registrou 21,9 mil.

No bimestre, o melhor desempenho dos três foi a indústria, registrando o seu segundo melhor resultado para o período da série do Caged, abaixo apenas do primeiro bimestre de 2004.

"Se a indústria de transformação continuar nesse ritmo, certamente ela vai puxar o crescimento do ano como ocorreu em 2004. No entanto, ainda é cedo para falar que isso é uma tendência", afirmou Marinho.

Construção

Alguns setores que vinham com bom desempenho, apresentaram redução no ritmo de geração de empregos como a construção civil. Em janeiro, as empresas desse setor criaram 11,7 mil novos empregos e em fevereiro foram apenas 5,5 mil.

Marinho apontou o menor número de obras públicas sendo tocadas pelos governos (federal, estaduais e municipais) neste início de ano como uma das principais explicações para isso. "O ano passado era eleitoral e os governos anteciparam para o primeiro semestre a execução de suas obras para não esbarrar nas limitações da lei eleitoral e este ano isso não é necessário", comentou Marinho. Pela lei, em ano eleitoral, obras não podem ser licitadas três meses antes das eleições.

 

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

CASO LETICIA
Adolescente morta a facadas contou a amigos que pai estuprou a tia na sua frente:'Tinha quatro anos'
MOTIVO FUTIL
Camera ajuda na indentificação de Homem que confessa ter matado mulher após falhar na "Hora H"
A CASA CAIU
Rapaz é agredido pelas sete namoradas que descobriram traição
SEGUNDO SOL
Beto confronta Karola: 'Você roubou a vida de outra mulher'
DEFICITÁRIAS
Correios fecham 02 agências no MS e 39 no país
VICENTINA - LEILÃO ELETRÔNICO
Justiça realizará leilão eletrônico de imóveis urbanos e trator de VICENTINA
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Conclusão do Comperj deve gerar 8 mil vagas em 2019
LUTO NO JORNALISMO
Morre Gil Gomes, jornalista policial, aos 78 anos, em São Paulo
SELEÇÃO BRASILEIRA
Brasil vence a Argentina com gol de Miranda nos acréscimos e conquista o Superclássico
HORARIO DE VERÃO
Início do horário de verão não será adiado, informa o Planalto