Menu
SADER_FULL
quinta, 14 de novembro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

CRF denuncia que 52% das farmácias do Estado estão irregulares

26 Jul 2007 - 06h05
 

O presidente do CRF/MS (Conselho Regional de Farmácia de Mato Grosso do Sul), José Antônio Paniago, denunciou, durante reunião realizada hoje à tarde na Promotoria do Consumidor, que 52% das 889 farmácias e drogarias do Estado estão irregulares. De acordo com ele, apenas em Campo Grande são 199 estabelecimentos irregulares de um total de 281, ou seja, 71% estão com algum tipo de pendência junto ao CRF/MS, enquanto no interior do Estado 260 das 608 estão irregulares, ou seja, 43%.

Segundo Paniago, são consideradas irregulares os estabelecimentos que não têm certidão de regularidade, apesar de muitos terem o alvará de funcionamento expedido pela Vigilância Sanitária que esquece de exigir se o dono da farmácia ou drogaria está regular junto ao CRF. “Apenas em 2006, nos realizamos 5.270 fiscalizações e foram expedidas 900 multas que variam de R$ 400 a R$ 1,2 mil”, revela, exigindo o cumprimento da Lei Federal nº 5.991, de 17 de dezembro de 1973, que dispõe sobre o controle sanitário do comércio de medicamentos e estabelece a presença obrigatória de técnico responsável inscrito no CRF.

O comércio de produtos que não sejam medicamentos e a falta de farmacêuticos em tempo integral em alguns estabelecimentos foram os temas debatidos na reunião de hoje à tarde na Promotoria do Consumidor. O promotor de Justiça Francisco das Neves Júnior, da Promotoria do Consumidor, informou que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) fez uma consulta pública sobre a opinião da população e um dos assuntos é a venda de produtos que não sejam medicamentos nas farmácias.

“Vamos pegar essa consulta e analisar se a população quer o fim do comércio desses produtos nesses estabelecimentos”, disse Francisco Jr., explicando que, dependendo do resultado, vai propor a assinatura de um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) pelos donos de farmácias e drogarias do Estado se comprometendo a não comercializarem mais produtos alheios à farmacologia.

No entanto, o representante da diretoria do Siprofarm/MS (Sindicato dos Proprietários de Farmácias de Mato Grosso do Sul), José Lotfi Corrêa, informou que a Rede São Bento tem um amparo legal para vender produtos alheios a medicamentos. Nesse caso, o promotor de Justiça disse que pode tentar derrubar a decisão judicial e adotar medidas mais rígidas contra a rede.

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO REALIZADO
Sinha Flor de Fátima do Sul ajudam noivos realizarem sonho em Santiago do Chile
MAGIA NEGRA
Bonecas penduradas em árvores e em cruz assustam moradores
BRASILEIRÃO
Flamengo só poderá ser campeão brasileiro após final da Libertadores; entenda
RETIRO DOS ARTISTAS
Ator de 'Roque Santeiro' pede abrigo no Retiro dos Artistas aos 81 anos: 'Quero ser feliz'
A DONA DO PEDAÇO
Kim desiste de casar com Paixão e Márcio e vira agente de Lady Gaga, Beyoncé e Justin Timberlake
INDENIZAÇÃO
Padre Marcelo deve receber indenização de autora que o acusou de plágio
PARTIDO APB
Bolsonaro anuncia a deputados que vai deixar PSL e criar o partido 'Aliança Pelo Brasil'
FAMOSIDADES
Solange Gomes posa com seio à mostra: 'O tempo pode até passar, mas a exibição não'
NOVELA GLOBAL
Em 'A dona do pedaço', Fabiana faz terror com freiras em convento
SEM TETO
Mulher montou casa em ponto de ônibus há um mês. Prefeitura sabe, mas nada fez