Menu
LIMIT ACADEMIA
sábado, 17 de novembro de 2018
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
SICREDI_FATIMA
Brasil

Cresce o abate de bovinos no Mato Grosso do Sul

19 Jun 2010 - 05h59Por Diário MS
Os abates de bovinos por frigoríficos de Mato Grosso do Sul continuam reagindo e nos primeiros cinco meses deste ano alcançaram volume 8,61% maior do mesmo período do ano passado, conforme dados divulgados ontem pela Superintendência Federal de Agricultura.
São 1.379.962 bovinos animais abatidos entre janeiro e maio contra 1.270.537 no mesmo período de 2009. Esses dados apontam que houve até o momento do ano foram 109 mil animais a mais do que no mesmo do ano passado no Estado.
O crescimento dos abates nos primeiros meses de 2010 atesta a recuperação do setor frigorífico do Estado, no que ano passado atravessou forte crise, com demissões em massa, paralisação de abates em diversas unidades e fechamento de algumas plantas.
Para o presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Francisco Maia, a recuperação das plantas frigoríficas e aumento dos abates em MS estão diretamente ligados ao fortalecimento do mercado interno, decorrente do consumo de carne no país, e ao crescimento das exportações em MS. “A demanda interna tem aumentado consideravelmente nos últimos meses e isso tem movimentado o mercado da carne”, comentou.
No entanto, para os próximos meses, a previsão é de desaceleração do volume de abates diante da disparada no preço do bezerro, considerado a moeda da pecuária. Neste ano a disparada no preço do bezerro tem pressionado os custos e já reflete no valor da arroba e ao consumidor de carne. A isso se soma o período de entressafra, em que os preços naturalmente aumentam.
O preço de alguns cortes de carne bovina nos supermercados e açougues de MS acumula alta de até 60,9% nos últimos doze meses, índice 50% maior que a valorização da arroba bovina no campo, que subiu 40%. O aumento médio no preço da carne, considerando a valorização dos dez cortes mais procurados, foi de 37% nos últimos doze meses, sendo que o produto que menos variou está, hoje, 20,2% mais caro que há doze meses.
A última cotação, do dia 16 de junho, apontava o bezerro a R$ 740,23, alta de R$ 20,00 apenas neste mês e no ano de R$ 138,00, o que corresponde a 23%, conforme dados da Esalq/USP.
Conforme o vice-presidente da Bolsa Brasileira de Mercadorias, Carlos Dupas, a situação é complicada para quem faz a engorda. Para ele, pode haver recuo de oferta por invernistas o que pode provocar nova reação no preço da arroba. Dumas reforça que a disparada no bezerro é um indicativo de que no ano passado não houve a retenção de matrizes prevista.
Segundo Maia, o abate das matrizes e a possibilidade de faltar bezerros para repor os estoques bovinos preocupam os pecuaristas do Estado. É uma situação que pode acontecer. No entanto, acreditamos que o MS esteja preparado para enfrentar esse tipo de situação, principalmente, em virtude do tamanho de seu rebanho, que chega a 20 milhões de cabeças”, comentou.
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Gabriel se declara para Luz e os dois se beijam
MULHERES TEM QUE DENUNCIAR
Jovem posta foto com rosto inchado para denunciar agressão do namorado
ENCONTRO DE GOVERNADORES
Em encontro de governadores com Bolsonaro, Reinaldo defende fronteira e reajuste da tabela SUS
VIOLENCIA DOMESTICA
Homem é esfaqueado por esposa que tem ciumes até da sombra
ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto