Menu
SADER_FULL
domingo, 18 de agosto de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Crédito rural para Centro-Oste reflete alta das exportações

13 Ago 2004 - 15h56
A expansão das fronteiras dos agronegócios no país, com o fortalecimento cada vez maior da região Centro-Oeste e a abertura de novas regiões produtoras, mudou o perfil da destinação dos recursos de crédito rural, em um processo que ficou mais nítido nas últimas cinco safras. A mudança envolve tanto a distribuição dos recursos por Estado quanto a tomada de crédito por parte de pequenos, médios e grandes produtores.

"Houve um salto no volume de recursos disponibilizados ao produtor, ainda que boa parte deles a juros livres, e um redirecionamento do crédito, buscando facilitar o acesso aos pequenos e médios produtores", afirma Wilson Araújo, coordenador de análise econômica da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura.

Entre a safra 2000/01 e a última (2003/04), o volume aumentou mais de 60%, de R$ 22,61 bilhões para um montante pouco superior a R$ 37 bilhões (incluindo agricultura familiar). Ainda que insuficiente para atender à demanda de financiamento do setor - estimada em R$ 100 bilhões por safra - , o crédito aumentou, no período, mais que a própria produção. Em 2004/05, serão R$ 46,45 bilhões,

Segundo a Conab, a área plantada com grãos cresceu 24% de 2000/01 para 2003/04, para 46,9 milhões de hectares, enquanto a produção subiu 19,7%, para 120 milhões de toneladas. Já o PIB agrícola, que foi de R$ 344,94 bilhões em 2001, é estimado este ano em R$ 522,19 bilhões pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) - alta de 51%.

É fato que o avanço da produção foi puxado pelas culturas de exportação, e a distribuição de recursos reflete o movimento, com a soja absorvendo a maior fatia. Segundo o Banco do Brasil, responsável por 55% da liberação de crédito rural no país - incluindo o Pronaf (agricultura familiar) - , 20,4% dos recursos já são destinados ao grão, 14,8% ao milho, 7,7% à bovinocultura e 7,3% ao algodão.

Essa distribuição explica a mudança no mapa das liberações. Conforme o BNDES, responsável pela divulgação de relatórios anuais sobre crédito rural, o Mato Grosso, que em 2000 era o terceiro maior Estado tomador, com R$ 227,5 milhões - ou 13,7% do total -, passou, com o avanço da soja, a ocupar a primeira posição em 2003, com R$ 685,4 milhões (18,1%). São Paulo, que liderava os empréstimos em 2000, com R$ 281,9 milhões, ou 18,8% do total, caiu para a quarta posição em 2003, com R$ 479,3 milhões, ou 12,7%.

"As fronteiras agrícolas exigem mais recursos e a transformação do cerrado em área agricultável demanda grandes investimentos para melhoramento de solo", diz Luciano Carvalho, assessor técnico da CNA. Assim, a participação do Centro-Oeste cresceu de 27%, em 2000, para 33% em 2003; a do Sul passou de 32% para 38%, enquanto a do Sudeste caiu de 34% para 22%. Norte e Nordeste continuaram com 2% e 5%, respectivamente.

Para Wilson Araújo, a mudança na rota do crédito está relacionada a um esforço do governo, empreendido a partir da última safra, em facilitar a oferta de recursos a pequenos e médios produtores. "Houve um rearranjo na distribuição do crédito em benefício desse público e eles têm prioridade na liberação dos créditos da agricultura comercial", diz o coordenador.

Não é, contudo, o que acontece no Banco do Brasil. "O volume de contratos feitos com os pequenos e médios produtores cresceu, mas os grandes produtores e as agroindústrias ainda tomam a maior parte dos recursos", afirma o gerente de agronegócios do banco, Luiz Gonzaga Lessa. Segundo o BB, a fatia dos grandes caiu nas últimas quatro safras de 83,8% para 81,7%.

Já a distribuição de crédito do Pronaf segue outro caminho, tendo como principais destinos as regiões Sul, Norte e Nordeste. Criado em 2000, o programa teve os recursos dobrados nas últimas quatro safras e tem R$ 7 bilhões para o recém-iniciado ciclo 2004/05. Entre 2000/01 e 2003/04, a participação do Norte passou de 4,9% para 14,3%. O Centro-Oeste subiu de 6,7% para 7,7% e o Sudeste, de 15,7% para 17,4%. A fatia do Nordeste caiu de 19,9% para 17,7% e a do Sul, de 52,8% para 42,9%.
 
Dourados News

Deixe seu Comentário

Leia Também

SIAMESAS
Mulher dá à luz gêmeas siamesas de 3,700KG as duas
ACIDENTE DE TRABALHO
Homem morre ao ser puxado por colheitadeira quando fazia limpeza
TENTATIVA DE HOMICIDIO
Cansada de apanhar mulher desfere golpes de faca em companheiro
POLICIAIS CORRUPTOS
PMs são denunciados por ligação com tráfico; bandidos fizeram foto em caveirão
NOVELA GLOBAL
Camilo descobre segredo de Chiclete e Vivi em 'A dona do pedaço'
LIBERADO
PIS/Pasep para nascidos em agosto já está liberado
ALUCIENÓGENO
Video: Vovó fica doidona ao provar acidentalmente maconha do neto
TARADO AGIU NA IGREJA
Homem é preso após abusar de criança de 4 anos dentro de igreja
CRUELDADE
Adolescente que estava desaparecido foi brutalmente assassinado e queimado
TRAGÉDIA ABSURDA
Homem mata mulher e filha de 11 anos e se mata por não aceitar fim da relacionamento