Menu
LIMIT ACADEMIA
quarta, 21 de novembro de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Crédito imobiliário deve dobrar nos próximos anos, diz especialista

15 Mai 2007 - 13h00
O superintendente da Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), José Pereira, participou nesta segunda-feira (14) de chat do G1 e tirou dúvidas dos leitores sobre o financiamento da casa própria.

O especialista ressaltou que nunca tanto dinheiro circulou no país com o objetivo de financiar residências – e a tendência é que esse montante continue a crescer. “Hoje, o crédito imobiliário está em 5% do PIB (Produto Interno Bruto) no Brasil. Em cinco ou dez anos, isso deve dobrar”, afirmou.

Escolher um financiamento imobiliário não é uma tarefa fácil. As taxas de juros variam conforme o banco, a renda do tomador do empréstimo e o risco representado pelo cliente. Por isso, diz Pereira, é preciso fazer muita pesquisa antes de se optar por uma instituição financeira. “É importante fazer uma pesquisa de mercado para ver qual é o banco que oferece as melhores condições para o seu caso”, disse o superintendente da Abecip a um dos participantes do chat.

Veja abaixo as principais dúvidas respondidas:

 Taxa de juros
"Não está relacionada à taxa Selic. A legislação estabelece a taxa máxima que o banco pode cobrar: 12% (ao ano). Hoje, o mercado pratica taxas um pouco inferiores a isso. Em alguns casos, existem taxas de 9%, 10%".

 Imóvel para investimento
"Comprar para investimento é sempre uma possibilidade, mas qualquer investimento sem ser de remuneração (a juros) pode ser arriscado. O valor pode aumentar ou cair".

 Crédito para reforma
"É perfeitamente possível. A operação é normal, qualquer banco tem linha de crédito para isso".

 Uso do FGTS
"Tem algumas condições. Primeiro o imóvel tem de se enquadrar, não podendo superar os R$ 400 mil em valor. A pessoa pode usar o FGTS no momento da compra, durante o financiamento ou para abater parte da prestação. (O mutuário) pode ainda juntar recursos próprios com o saldo do FGTS e quitar o imóvel".

 O PAC e a habitação
"O PAC prevê uma série de medidas e recursos voltados para a área de empréstimo imobiliário. Lá está que os recursos da poupança devem atingir R$ 42 bilhões, o que é bastante razoável".

 Garantias pelo financiamento
"A operação mais comum é dar o próprio imóvel (como garantia), mas dá para usar outros (bens) também. Qualquer bem é válido para dar garantias".

 Compra na planta

"Não tem nenhuma relação com a taxa de juros. Cada construtora tem a sua condição. É bom observar as condições de pagamento, ter uma avaliação perfeita de quanto se terá de pagar durante o financiamento".

 

 Renda

"Não existe renda mínima para se obter um financiamento imobiliário. Normalmente, o sistema prevê que a prestação não deva superar entre 20% ou 25% da renda (do mutuário)".

 

 Morte do mutuário

"Se (o financiamento) é do sistema financeiro (da habitação), há um seguro, basta acessar esse seguro. Quem pagou prestações depois da morte (do titular) pode até ter seu dinheiro devolvido".

 

 

 

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVARDIA
Pai é preso acusado de agredir o filho de apenas cinco meses
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': León destrói rosto de Valentina e ela descobre o segredo da fonte
TERRORISMO
Bolsonaro sofre ameaças de morte em vídeos na internet
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem que matou filho para defender a nora comete suicídio
INJUSTIÇA
Familiares prestam homenagem a laçador de cães que morreu após ser hostilizado
FORAGIDO
Mulher é morta a facadas pelo ex-marido, que não aceitava fim de relacionamento
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Valentina conta a Egídio que Gabriel é filho dele
CRUELDADE
Idosa de 106 anos é assassinada a pauladas no Maranhão
NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo