Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 17 de junho de 2019
SADER_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Controladoria detecta desvio de R$ 25 mi em Dourados

9 Out 2010 - 06h35Por Folha Online

Levantamento feito pela CGU (Controladoria-Geral da União) a pedido da Polícia Federal em Dourados (MS) indica desvio de R$ 25 milhões de verbas federais e estaduais feito pelo prefeito afastado, Ari Artuzi (sem partido), vereadores, funcionários e donos de empreiteiras.

O montante é resultado principalmente do superfaturamento de contratos licitados para compra de medicamentos e obras, segundo o levantamento da CGU.

Os auditores analisaram documentos recolhidos na Prefeitura de Dourados referentes ao período de janeiro de 2009 a agosto de 2010.

A avaliação começou da Operação Uragano, da PF, na qual Artuzi e mais 28 pessoas foram detidas sob suspeita de desvio de verba pública.

O delegado da PF em Dourados, Bráulio César Galloni, disse que foram avaliados 53 contratos, que somam R$ 125 milhões em verbas dos governos federal e estadual.

Indícios de irregularidades foram encontrados em 36 desses contratos, que totalizam R$ 25 milhões.

"Esse dinheiro era destinado à corrupção", disse.

Os contratos superfaturados eram, na maioria, na área da saúde.

Galloni calcula que de R$ 16 milhões a R$ 17 milhões dos recursos destinados eram de licitações da compra de medicamentos e outras movimentações via Hospital Evangélico. O restante do dinheiro desviado foi angariado por superfaturamento de contratos de pavimentação e operações tapa-buraco.

Segundo a denúncia feita pelo Ministério Público Estadual, os recursos do Hospital Evangélico foram umas das principais fontes de pagamento de propina a vereadores, que recebiam R$ 50 mil de mensalão, dinheiro proveniente desses desvios.

Galloni disse que o relatório da CGU será encaminhado ao Ministério Púbico do Estado e Ministério Público Federal para que sejam anexados os inquéritos.

Com a operação da PF, 60 pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público sob acusação de falsidade ideológica, crime contra as relações de trabalho e formação de quadrilha.

Artuzi, mesmo afastado do cargo, tem foro privilegiado e a denúncia deve ser avaliada pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

Desde 1º de setembro, Artuzi está preso em Campo Grande. Ele sempre negou envolvimento no caso.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ASSASSINATO
Marido da deputada é morto a tiros
MULHER DO PRESIDENTE
Esposa de Jair Bolsonaro cai na internet, fotos íntimas são exibidas e todos ficam sem acreditar
DOURADOS - MANIFESTAÇÕES
Dono da Havan manda 'recado' a manifestantes após protesto em frente a loja de Dourados
VENENOSA
Agricultor é picado por cobra jararaca
FORÇA DE VONTADE
Advogado que pedia emprego na rua é contratado e ganha pós-graduação
CASO DE POLÍCIA
Filho mata a mãe e rouba seu cartão para comprar cocaína
EQUIPARADO AO RACISMO
Agora Homofobia é crime, STF criminaliza
DOENÇA DO SÉCULO
Jovem de 19 anos com depressão comete suicídio e choca cidade
REVOLTANTE
Filho é preso por ficar com aposentadoria e manter pais idosos morando em situação de miséria
BARBÁRIE
Nus e amarrados, corpos de três jovens são encontrados mortos em matagal