Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 21 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Contabilidade da máfia registra propina a 84 DPs

16 Jun 2007 - 07h45
O advogado Jamil Chokr tinha um mapa da propina paga à polícia em São Paulo. Oitenta e quatro dos 93 distritos policiais das oito delegacias seccionais da cidade recebiam de R$ 40 a R$ 4.400 por semana. Para cada bairro, o advogado anotava em tabelas a quantidade de máquinas de caça-níqueis em operação e, com base nesse número, calculava quanto devia arrecadar como propina para entregar à polícia. Essa é a linha da investigação aberta pela Corregedoria da Polícia Civil e pelo Ministério Público Estadual sobre o escândalo. Isso porque as tabelas montadas por Chokr e apreendidas na apuração seguem o padrão das anotações feitas pelo advogado em envelopes com R$ 27 mil achados em seu carro após um acidente, no dia 25.
Cada envelope tinha anotado, como destinatário, um número ordinal para designar o DP, como 16º (Vila Mariana) e 31º (Vila Carrão). Dentro, havia um cálculo. O total de caça-níqueis era multiplicado por 40. O resultado dessa conta era igual ao valor em dinheiro do envelope. Apenas nove distritos da cidade não constam dos envelopes e das tabelas como beneficiários da propina. E dois deles - 36º DP (Paraíso) e 70º DP (Sapopemba) - eram destinatários dos envelopes com dinheiro, mas não há valores nas tabelas.
O mapa da propina mostra que a delegacia que mais deveria receber propina é justamente a de uma região conhecida por concentrar um grande número de pontos de jogo do bicho e caça-níqueis: o 7º DP, na Lapa, área dominada pelo bicheiro Ivo Noal. A delegacia lidera o ranking encontrado com Chokr. Suspeita-se que recebesse R$ 4,4 mil toda sexta-feira.
Na zona norte, onde a atividade dos caça-níqueis já provocou uma guerra, com a morte do bicheiro Francisco Plumari Junior, o Chico da Ronda, em 2003, o advogado anotou valores de R$ 3,9 mil para o 39º DP (Vila Gustavo). Essa delegacia ocupa o segundo lugar entre as que mais receberiam propina - em outra lista, porém, ela aparece como destino de R$ 3,6 mil. O terceiro lugar está com o 1º DP, da Sé. Ali a jogatina repassaria R$ 3,7 mil à polícia.
Todas as tabelas foram apreendidas com Chokr depois que o advogado bateu seu Vectra blindado na Marginal do Tietê, ao tentar fugir de um assaltante. Ele acabara de deixar a empresa Reel Token, que trabalha com caça-níqueis, quando um homem tentou roubá-lo. Chokr nega as acusações e diz que os R$ 27 mil achados em 31 envelopes eram dinheiro de honorários. Interrogado ontem pela corregedoria, o contador da Reel Token, cujo nome não foi divulgado, confirmou a versão de Chokr.
Além da Reel Token, outras 40 empresas trabalhariam com caça-níqueis em São Paulo. Ao todo, a polícia estima que havia em abril 300 mil caça-níqueis no Estado. Dessa forma, a arrecadação poderia chegar a R$ 300 milhões por mês.
ENTENDA O CASO
25/5 - No carro do advogado de donos de caça-níqueis Jamil Chokr, PMs encontram envelopes com dinheiro e números de distritos policiais de São Paulo. Chokr fugia de um assalto em seu Vectra blindado. A Corregedoria da Polícia Civil abre investigação
28/5 - Os números nos envelopes coincidem com os de distritos policiais da capital. A corregedoria ouve um PM que atendeu a ocorrência. Delegados da elite da Polícia Civil se apressam a divulgar a versão, falsa, de que o PM confessou ter fraudado a lista com a numeração dos DPs e as anotações nos 31 envelopes com dinheiro
29/5 - Versão falsa sobre fraude na lista faz as cúpulas das Polícias Civil e Militar trocarem acusações
1/6 - Um dia depois de ser citado numa relação de supostos beneficiados com propina para não agir contra pessoas ligadas a jogos de azar, o Departamento de Polícia Judiciária (Decap) faz operação em que apreende 2.204 máquinas caça-níqueis e fecha sete bingos em São Paulo
4/6 - Corregedoria da Polícia Civil pede quebra de sigilo telefônico de pelo menos 25 investigadores que chefiam equipes em DPs
13/06 - Grampos da Polícia Federal confirmam que Chokr subornava DPs da capital. Dono de uma empresa de caça-níqueis, o empresário Raimondo Romano, flagrado na Operação Xeque-Mate, diz em telefonema que terá de achar “desculpa plausível” para a lista encontrada com advogado.
14/06 - Anotações mostram que Chokr arrecadou só em abril R$ 205 mil com donos de caça-níqueis. Na contabilidade do advogado, parte do dinheiro aparece destinado à Polícia Federal em São Paulo, ao Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic) e ao Decap.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos