Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 15 de novembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Consumo das famílias brasileiras aumentará 40% em dez anos

2 Jun 2010 - 18h10Por Agência Brasil

O consumo das famílias brasileiras deve chegar a R$ 2,42 trilhões em 2013 e a R$ 3,29 trilhões em 2020, de acordo com o estudo Consumo das Famílias Brasileiras até 2020, realizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP). O estudo foi divulgado hoje (2), na capital paulista, durante o debate A Nova Classe Média Brasileira.

Segundo o estudo, as classes C, D e E registraram, em 2009, gastos de R$ 864 bilhões, o equivalente a 78% do volume gasto pelas classes A e B, que foi de R$ 1,10 trilhão – um total de R$ 1,96 trilhão. Com isso, o crescimento do consumo, até 2020, será de 40%. O estudo indica que o consumo das famílias com renda de até dez salários mínimos (R$ 5.100) deve ser de 7% a 8% maior, ao ano, nos próximos dois anos. Já para as famílias com renda maior do que 10 salários mínimos (classes A e B), o aumento deve ser de 4% até 2020.

De acordo com o economista da Fecomercio Fábio Pina, as classes C, D e E estão buscando a sofisticação de seu consumo e, para entender esse fenômeno, é preciso relativizar o conceito de sofisticado para esse grupo. “Claro que sofisticar o consumo de quem já tem uma renda de R$ 15 mil é diferente daquele que tem uma renda familiar de R$ 1.500. Mas ele vai sofisticar seu consumo, vai aumentar o número de itens e, provavelmente, aqueles itens que ele já consumia, vai sofisticar de uma forma ou de outra”.

Pina acredita que, proporcionalmente, as classes C, D e E representarão 32,5% do consumo, quando, hoje, respondem por 27% do consumo. A classe A atualmente representa 17,1% do consumo e esse índice deve permanecer no mesmo patamar.

Segundo ele, o crescimento do consumo não será acompanhado pelo crescimento da oferta global e, com isso, o padrão de elevação só poderá ser replicado pelos próximos anos dependendo da poupança externa. “Não dá para crescer gasto do governo, investimento das empresas e consumo das famílias sem que haja uma restrição grande e externa, porque o mundo não vai estar disposto a financiar um excesso de consumo do Brasil por muito tempo. Se não forem feitos ajustes, não vamos ter esse crescimento de consumo até 2020. Vamos ter, no meio do caminho, um ajuste para baixo”, avaliou Pina.

Dentre os setores, o grupo habitação representa 29,8% do total do consumo e alimentação responde por 17%. O estudo aponta que gastos com alimentação e habitação terão alteração com o crescimento do consumo das classes C, D e E. “Certamente a alimentação vai ter uma participação muito menor. Em compensação, os itens de habitação, como telefonia móvel e acesso à banda larga, vão crescer”, estimou o economista da Fecomercio.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ENCONTRO DE GOVERNADORES
Em encontro de governadores com Bolsonaro, Reinaldo defende fronteira e reajuste da tabela SUS
VIOLENCIA DOMESTICA
Homem é esfaqueado por esposa que tem ciumes até da sombra
ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto
TRAGEDIA
Ex-prefeito é morto pelo pai após ser confundido com assaltante
ACIDENTE DE TRANSITO
Caminhão passa por cima de veículos e explode em grave acidente
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Marilda (Letícia Spiller) é flagrada nua e finge ser uma assombração
BNDS
“Se não abrir a caixa preta do BNDES, está fora!”, diz Bolsonaro sobre Levy
FAMOSIDADES
Susana Vieira está com leucemia, mas a doença está controlado, diz assessoria
NOVELA GLOBAL
Marina Ruy Barbosa é a heroína de 'O sétimo guardião': 'Luz foge do tradicional'
CONSTRANGIMENTO
Claudia Leitte quebra silêncio e desabafa sobre polêmica com Silvio Santos