Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Consumo das famílias brasileiras aumentará 40% em dez anos

2 Jun 2010 - 18h10Por Agência Brasil

O consumo das famílias brasileiras deve chegar a R$ 2,42 trilhões em 2013 e a R$ 3,29 trilhões em 2020, de acordo com o estudo Consumo das Famílias Brasileiras até 2020, realizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP). O estudo foi divulgado hoje (2), na capital paulista, durante o debate A Nova Classe Média Brasileira.

Segundo o estudo, as classes C, D e E registraram, em 2009, gastos de R$ 864 bilhões, o equivalente a 78% do volume gasto pelas classes A e B, que foi de R$ 1,10 trilhão – um total de R$ 1,96 trilhão. Com isso, o crescimento do consumo, até 2020, será de 40%. O estudo indica que o consumo das famílias com renda de até dez salários mínimos (R$ 5.100) deve ser de 7% a 8% maior, ao ano, nos próximos dois anos. Já para as famílias com renda maior do que 10 salários mínimos (classes A e B), o aumento deve ser de 4% até 2020.

De acordo com o economista da Fecomercio Fábio Pina, as classes C, D e E estão buscando a sofisticação de seu consumo e, para entender esse fenômeno, é preciso relativizar o conceito de sofisticado para esse grupo. “Claro que sofisticar o consumo de quem já tem uma renda de R$ 15 mil é diferente daquele que tem uma renda familiar de R$ 1.500. Mas ele vai sofisticar seu consumo, vai aumentar o número de itens e, provavelmente, aqueles itens que ele já consumia, vai sofisticar de uma forma ou de outra”.

Pina acredita que, proporcionalmente, as classes C, D e E representarão 32,5% do consumo, quando, hoje, respondem por 27% do consumo. A classe A atualmente representa 17,1% do consumo e esse índice deve permanecer no mesmo patamar.

Segundo ele, o crescimento do consumo não será acompanhado pelo crescimento da oferta global e, com isso, o padrão de elevação só poderá ser replicado pelos próximos anos dependendo da poupança externa. “Não dá para crescer gasto do governo, investimento das empresas e consumo das famílias sem que haja uma restrição grande e externa, porque o mundo não vai estar disposto a financiar um excesso de consumo do Brasil por muito tempo. Se não forem feitos ajustes, não vamos ter esse crescimento de consumo até 2020. Vamos ter, no meio do caminho, um ajuste para baixo”, avaliou Pina.

Dentre os setores, o grupo habitação representa 29,8% do total do consumo e alimentação responde por 17%. O estudo aponta que gastos com alimentação e habitação terão alteração com o crescimento do consumo das classes C, D e E. “Certamente a alimentação vai ter uma participação muito menor. Em compensação, os itens de habitação, como telefonia móvel e acesso à banda larga, vão crescer”, estimou o economista da Fecomercio.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação