Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 17 de junho de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Conselho de Ética adia votação de processo contra Renan

15 Jun 2007 - 13h53

O Conselho de Ética do Senado adiou a votação do relatório que pede o arquivamento do processo contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), sobre o suposto apoio financeiro que recebeu de um lobista para pagar pensão à jornalista Mônica Veloso, com quem tem uma filha de três anos. Com medo de perder a votação, Renan não quis arriscar, cedeu à oposição e liberou seus aliados a aceitarem o adiamento.

O relator do processo, Epitácio Cafeteira (PTB-MA), resistiu à proposta e chegou a criar um impasse no Conselho de Ética. Alegou que ficaria desmoralizado com o adiamento da votação. Os colegas fizem um apelo a Cafeteira. Depois de bater o pé, o senador aceitou o adiamento. Disse que recebeu um telefonema de sua mulher.

Segundo ele, o próprio Renan teria telefonado a ela para que convencesse o marido a aceitar o adiamento. "Estou atendendo a um apelo de minha mulher", disse.

A votação do relatório deve ocorrer somente na semana que vem, provavelmente na terça-feira (19), após perícia em cima dos novos documentos apresentados por Renan para rebater reportagem do Jornal Nacional de quinta-feira (14) que mostra divergências nos recibos de rendimentos rurais apresentados pelo presidente do Senado para comprovar a origem do dinheiro da pensão.

A solicitação de adiamento foi feito pelo líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), a pedido de Renan, durante a sessão do conselho. Segundo Jucá, Renan propôs até a convocação do lobista Cláudio Gontijo, da empreiteira Mendes Júnior, que seria o intermediador entre ele e Mônica Veloso.

A postura do presidente do Senado em recuar e propor o adiamento ocorreu depois de perceber o risco de não conseguir aprovar o relatório de Cafeteira. A oposição, que apresentou relatórios paralelos para continuar as investigações, torcia para reverter o cenário nesta sexta. Com um placar apertado a seu favor, o presidente do Senado temia, por exemplo, perder os votos dos aliados Eduardo Suplicy (PT-SP) e Renato Casagrante (PSB-ES), que sinalizaram nesta manhã a possibilidade de ficar ao lado da oposição, além de não contar com o corregedor do Senado, Romeu Tuma (DEM-SP), que não compareceu à reunião desta sexta alegando motivos de saúde.

Encontros secretos

O clima foi tenso no Senado desde o início da manhã desta sexta. Renan reuniu-se cedo com senadores aliados no gabinete da líder do PT, Ideli Salvatti (SC). Logo depois, o presidente do Senado recebeu integrantes do Conselho de Ética em seu gabinete para um encontro reservado, inclusive Cafeteira, que reafirmou que não mudaria seu relatório. A visita de Cafeteira, relator do processo, aliás, provocou revolta em alguns integrantes do Conselho de Ética. A todos, Renan mostrou documentos para rebater a reportagem do Jornal Nacional.

Renan ainda procurou os senadores da oposição, contrários ao arquivamento do processo. Os líderes do Democratas, José Agripino (RN), e do PSDB, Arthur Virgilio (AM), não disfarçaram o contrangimento de um encontro reservado com Renan a poucos minutos da reunião do Conselho de Ética. A conversa a portas fechadas ocorreu no gabinete do tucano Marcone Perillo (PSDB-GO). "Não sou líder estudantil. Como iria dizer para o Renan não entrar?", disse Arthur Virgilio.

A oposição, porém, não se convenceu e manteve a posição de aprovar um relatório que pede a continuidade das investigações. "Não muda nada", afirmou Agripino. O presidente do Senado negou que tenha feito pressão aos colegas. "Não quero formar cabeças, mas mostrar a verdade. Hoje, tive condições de esclarecer tudo", afirmou.

Em seu relatório paralelo, o senador Demóstenes Torres (DEM-SP) pede a manutenção do processo para poder chegar a um "juizo adequado" do caso. "Somente a devida apuração dos fatos, com a oitiva das pessoas envolvidas e o periciamento das provas apresentadas pela defesa do presidente Renan Calheiros, possibilitará chegar a um juízo de valor adequado, elemento essencial à definição de rumo do procedimento", defendeu o senador. Além dele, os senadores Jefferson Perez (PDT-AM) e Marcone Perillo apresentaram relatório semelhante.

 

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

SOLIDARIEDADE
Bebê nasce sem os olhos e mobiliza cidade do Paraná
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Pai mata filho de quatro anos e se mata por não aceitar fim do relacionamento
ASSASSINATO
Marido da deputada é morto a tiros
MULHER DO PRESIDENTE
Esposa de Jair Bolsonaro cai na internet, fotos íntimas são exibidas e todos ficam sem acreditar
DOURADOS - MANIFESTAÇÕES
Dono da Havan manda 'recado' a manifestantes após protesto em frente a loja de Dourados
VENENOSA
Agricultor é picado por cobra jararaca
FORÇA DE VONTADE
Advogado que pedia emprego na rua é contratado e ganha pós-graduação
CASO DE POLÍCIA
Filho mata a mãe e rouba seu cartão para comprar cocaína
EQUIPARADO AO RACISMO
Agora Homofobia é crime, STF criminaliza
DOENÇA DO SÉCULO
Jovem de 19 anos com depressão comete suicídio e choca cidade