Menu
SADER_FULL
sábado, 17 de novembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
SICREDI_FATIMA
Brasil

Conselho de Ética adia votação de processo contra Renan

15 Jun 2007 - 13h53

O Conselho de Ética do Senado adiou a votação do relatório que pede o arquivamento do processo contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), sobre o suposto apoio financeiro que recebeu de um lobista para pagar pensão à jornalista Mônica Veloso, com quem tem uma filha de três anos. Com medo de perder a votação, Renan não quis arriscar, cedeu à oposição e liberou seus aliados a aceitarem o adiamento.

O relator do processo, Epitácio Cafeteira (PTB-MA), resistiu à proposta e chegou a criar um impasse no Conselho de Ética. Alegou que ficaria desmoralizado com o adiamento da votação. Os colegas fizem um apelo a Cafeteira. Depois de bater o pé, o senador aceitou o adiamento. Disse que recebeu um telefonema de sua mulher.

Segundo ele, o próprio Renan teria telefonado a ela para que convencesse o marido a aceitar o adiamento. "Estou atendendo a um apelo de minha mulher", disse.

A votação do relatório deve ocorrer somente na semana que vem, provavelmente na terça-feira (19), após perícia em cima dos novos documentos apresentados por Renan para rebater reportagem do Jornal Nacional de quinta-feira (14) que mostra divergências nos recibos de rendimentos rurais apresentados pelo presidente do Senado para comprovar a origem do dinheiro da pensão.

A solicitação de adiamento foi feito pelo líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), a pedido de Renan, durante a sessão do conselho. Segundo Jucá, Renan propôs até a convocação do lobista Cláudio Gontijo, da empreiteira Mendes Júnior, que seria o intermediador entre ele e Mônica Veloso.

A postura do presidente do Senado em recuar e propor o adiamento ocorreu depois de perceber o risco de não conseguir aprovar o relatório de Cafeteira. A oposição, que apresentou relatórios paralelos para continuar as investigações, torcia para reverter o cenário nesta sexta. Com um placar apertado a seu favor, o presidente do Senado temia, por exemplo, perder os votos dos aliados Eduardo Suplicy (PT-SP) e Renato Casagrante (PSB-ES), que sinalizaram nesta manhã a possibilidade de ficar ao lado da oposição, além de não contar com o corregedor do Senado, Romeu Tuma (DEM-SP), que não compareceu à reunião desta sexta alegando motivos de saúde.

Encontros secretos

O clima foi tenso no Senado desde o início da manhã desta sexta. Renan reuniu-se cedo com senadores aliados no gabinete da líder do PT, Ideli Salvatti (SC). Logo depois, o presidente do Senado recebeu integrantes do Conselho de Ética em seu gabinete para um encontro reservado, inclusive Cafeteira, que reafirmou que não mudaria seu relatório. A visita de Cafeteira, relator do processo, aliás, provocou revolta em alguns integrantes do Conselho de Ética. A todos, Renan mostrou documentos para rebater a reportagem do Jornal Nacional.

Renan ainda procurou os senadores da oposição, contrários ao arquivamento do processo. Os líderes do Democratas, José Agripino (RN), e do PSDB, Arthur Virgilio (AM), não disfarçaram o contrangimento de um encontro reservado com Renan a poucos minutos da reunião do Conselho de Ética. A conversa a portas fechadas ocorreu no gabinete do tucano Marcone Perillo (PSDB-GO). "Não sou líder estudantil. Como iria dizer para o Renan não entrar?", disse Arthur Virgilio.

A oposição, porém, não se convenceu e manteve a posição de aprovar um relatório que pede a continuidade das investigações. "Não muda nada", afirmou Agripino. O presidente do Senado negou que tenha feito pressão aos colegas. "Não quero formar cabeças, mas mostrar a verdade. Hoje, tive condições de esclarecer tudo", afirmou.

Em seu relatório paralelo, o senador Demóstenes Torres (DEM-SP) pede a manutenção do processo para poder chegar a um "juizo adequado" do caso. "Somente a devida apuração dos fatos, com a oitiva das pessoas envolvidas e o periciamento das provas apresentadas pela defesa do presidente Renan Calheiros, possibilitará chegar a um juízo de valor adequado, elemento essencial à definição de rumo do procedimento", defendeu o senador. Além dele, os senadores Jefferson Perez (PDT-AM) e Marcone Perillo apresentaram relatório semelhante.

 

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Gabriel se declara para Luz e os dois se beijam
MULHERES TEM QUE DENUNCIAR
Jovem posta foto com rosto inchado para denunciar agressão do namorado
ENCONTRO DE GOVERNADORES
Em encontro de governadores com Bolsonaro, Reinaldo defende fronteira e reajuste da tabela SUS
VIOLENCIA DOMESTICA
Homem é esfaqueado por esposa que tem ciumes até da sombra
ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto