Menu
SADER_FULL
domingo, 24 de junho de 2018
PASSARELA
Busca
DR. SHAPE
Brasil

Conab negocia cooperação com Programa Mundial da ONU

2 Set 2004 - 11h05
A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) quer ampliar a participação do Brasil no Programa Mundial de Alimentos (PMA), órgão da ONU responsável pela ajuda humanitária às populações de todo o mundo. Em um seminário iniciado nesta quarta-feira na sede da Conab, em Brasília, técnicos do PMA receberam informações sobre a produção agrícola brasileira.

O representante do programa na América Latina, o colombiano Omar Bula Escobar, elogiou a atuação da Conab no programa Fome Zero. Segundo ele, a logística utilizada para a compra e distribuição de alimentos tende a ser usada como modelo para o programa e para os países associados à ONU.

“O Brasil também é candidato a vender produtos para o PMA, doar alimentos que não são utilizados localmente e trocar experiências técnicas”, avalia Escobar. “Trata-se de um país sofisticado em muitos sentidos. Em outros sentidos, ainda tem problemas graves, podendo precisar de doações em algum momento. Estamos dispostos a estudar e discutir todos os níveis de cooperação.”

Só no ano passado, o Programa Mundial de Alimentos autuou em 82 países e forneceu alimentação para 100 milhões de pessoas afetadas pela fome e pela subnutrição. Parte dos alimentos distribuídos são doados à Onu, parte comprados pela organização.

A Conab pretende incluir as associações de agricultores familiares na lista de candidatos a vender produtos para as Nações Unidas. Inicialmente, o projeto incluiria associações da região Sul, Mato Grosso e Goiás. Diretor de Logística e Gestão Empresarial da Conab, Sílvio Porto, acredita que não será difícil para os produtores nacionais cumprirem os critérios internacionais de qualidade e competição.

Entre os produtos a serem vendidos estão o trigo, o milho, o feijão e o leite. “As exigências nacionais estão muito próximas ou até semelhantes aos padrões internacionais. O Brasil talvez tenha que fazer algum ajuste localizado, mas acredito, de fato, que nós temos condições de competir nesse mercado”, revela Porto. “A Conab se coloca como porta-voz e articulador desse processo que está apenas começando.”

Desde o início do governo Lula, a Conab já comprou e distribuiu 50 mil toneladas de alimentos para 1,2 milhão de famílias. Os principais beneficiados foram os acampados, os indígenas e os quilombolas. Boa parte da comida distribuída foi comprada por meio da agricultura familiar, setor que recebeu cerca de R$ 120 milhões do governo federal.

O seminário que reúne representantes da Conab e do PMA segue até sexta-feira (3). Estão programados debates com técnicos mexicanos e representantes dos ministérios da Integração Nacional e Educação. Os técnicos não descartam a hipótese de fechar um acordo de cooperação até o final do evento.
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

GOVENO NÃO CUMPRE
Caminhoneiros anunciam nova paralisação, mas trabalhadores de MS não devem participar
RAIVA HUMANA
Morte de turista por raiva humana é confirmada em Ubatuba
NOVELA GLOBAL
Valentim sofre grave acidente de carro
INACEITAVEL
Mãe de jovem morto no Rio: “É um Estado doente que mata criança com roupa de escola”
HAJA CORAÇÃO
Neymar é o autor do gol mais tardio, em tempo normal, de uma Copa na história
COPA DO MUNDO
No sufoco, Brasil supera a Costa Rica e consegue primeira vitória na Copa do Mundo
NOVELA GLOBAL
Segundo Sol: Rosa coloca fim em relação com Ícaro e ele toma atitude
SAUDE
Mulher dá a luz em calçada no Cajuru
FAMOSIDADES
Ex-apresentadora do ‘Vídeo show’, Alinne Prado sofre assalto a mão armada dentro de casa
RELIGIÃO
Padre é flagrado dando tapa em criança durante batismo