Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 22 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Compra de votos, uma ‘terapia’ que subestima a democracia

15 Out 2004 - 07h20

COMPRA DE VOTOS, UMA ‘TERAPIA’ QUE SUBESTIMA A DEMOCRACIA

 

Demerval Nogueira*

        

         Observando o comportamento de centenas de candidatos majoritários e proporcionais nas últimas eleições de três de outubro, sinto-me pasmado ao verificar gastos vultuosos para se chegar ao topo do Poder. Esta maneira de fazer política afronta terrivelmente a sustentabilidade da tão propalada democracia em que vivemos.

         Se nas próximas eleições que hão de vir, prevalecer este mesmo tipo de comportamento havido durante as últimas eleições, com nítida e incontestável certeza, haverá um número muito pequeno de eleitores que poderão cobrar dos seus representantes, algo em prol de uma sociedade mais justa, mais humana, e com pleno direito de poder exercer o seu mais puro, sublime e irrestrito direito, que o direito à cidadania.

         O eleitor que ‘negocia’ seu voto em troca de numerário financeiro ou até mesmo através de bens materiais, não tem o direito de cobrar absolutamente nada do seu candidato após a sua eleição. Quem vende o voto, não tem o direito de cobrar, porque corre o próprio risco de receber uma resposta tipo, “seu voto eu comprei, e foi bem pago, portanto, você não tem o direito de me cobrar agora, me esqueça, deixe-me fazer agora as minhas negociatas, não tenho satisfação a dar pra você”.

         E é justamente desta forma que está sendo exercida a democracia neste País chamado Brasil. É uma vergonha ‘nacionalizada’, onde o peso financeiro está acima do bem e do mal quando se trata de uma campanha eleitoral. O fato é lacônico e estarrecedor, mas é a pura realidade da atualidade em que vivemos.

         A Justiça Eleitoral caracteriza como crime eleitoral à compra de votos e também a venda de votos sejam em troca de recursos financeiros ou transacionados através de favores onde se presume a consolidação da ‘negociação do voto’. A bem da verdade, se for coibir e punir rigorosamente o abuso praticado através do poder econômico e até mesmo o uso do Poder Público, praticado por um gigantesco número de candidatos majoritários e proporcionais que concorreram nas últimas eleições, 95% deles não tomariam posse no dia 1º de janeiro de 2005. Motivo: Crime Eleitoral.

         Mais estarrecedor ainda é vermos determinados partidos políticos, com raríssimas exceções, que ‘ontem’ pregavam uma eterna transparência e a maior lisura possível na forma de praticar a política e administrar, intitulando-se como verdadeiros arautos da moralidade pública, transparecendo ser os donos da moral e da ética, e hoje, utilizam-se das maquiavélicas e repugnantes manobras para chegarem ao Poder. Por quê será que o Poder é tão fascinante? Será que vale a pena investir de forma tão ilícita e desproporcional para chegar ao Poder? Simplesmente para afirmar que, ‘estou’ no Poder!

         Sabemos que a corrupção eleitoral vem de há muito tempo, mas não era tão exorbitante e escabrosa como observamos na atualidade. Infelizmente, parece que estamos vivenciando uma degeneração social com um grau em estágio extremamente avançado da ausência de seriedade, civismo e cidadania. Esta forma de ‘vencer’ e ‘democratizar’ está se transformando numa verdadeira escabiose. Se continuar assim, as próximas eleições serão um verdadeiro sarrabulho eleitoral ao invés de uma verdadeira festa cívica, séria e democrática.

É, infelizmente com o passar do tempo, eu não posso afirmar aquilo que afirmara outrora, ou seja, creio eu ter a autoridade dos anos, marcados por vitórias e derrotas, para afirmar com saber de experiência feito, que a democracia, é a convivência de contrários, convivência às vezes áspera e exaltada e até mesmo apaixonada pelo confronto de ácidos antagonismos. Hoje, porém, já não se faz política como antigamente. Este processo de falácias, compras de votos, prosalidades e promessas vãs, têm um custo muito elevado, elevadíssimo por sinal.

  Mas, este é o nosso ‘mundo mágico’ chamado Brasil, ‘Um País de Todos’! Será que é mesmo?

 

 

*O autor é radialista.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PERSISTÊNCIA
Filho de faxineira e porteiro passa em medicina no Paraná
RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho