Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 21 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Comissão defende votação imediata do Trabalho Escravo

29 Jul 2004 - 15h06
O presidente da Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público (CTASP), deputado Tarcísio Zimmermann (PT-RS), defendeu a aprovação imediata da Proposta de Emenda à Constituição 438/01, que expropria as propriedades urbanas e rurais onde for constatada a existência de trabalho escravo. O parlamentar acredita na votação da PEC, já aprovada na Comissão Especial que analisa o assunto, durante o esforço concentrado do Plenário da Câmara, agora no mês de agosto. “Vou trabalhar no sentido de que, na semana do esforço concentrado, nós possamos retomar esse tema e colocá-lo em pauta", afirmou Zimmermann.
O deputado elogiou o esforço conjunto de fiscais do Ministério do Trabalho, agentes da Polícia Federal e procuradores do Ministério Público do Trabalho e da União que resultou na descoberta de mais 49 casos de exploração de mão-de-obra escrava, sendo 41 fazendeiros e oito empresas.

Inclusive crianças
Nessa segunda lista de infratores, divulgada pelo Ministério do Trabalho, 17 foram autuados no Pará, 16 no Mato Grosso, 10 no Maranhão, 3 em Rondônia, 2 em Tocantins e um em Minas Gerais. A primeira lista, anunciada em 2003, tinha 52 nomes de empregadores e proprietários rurais, que exploravam mais de cinco mil trabalhadores, inclusive crianças.
"Diante dessa nova lista e da prisão dos envolvidos no assassinato dos servidores do Ministério do Trabalho em Unaí, creio que aumenta a exigência da sociedade para que essa PEC seja finalmente aprovada”, ressalta o parlamentar.

Mais de mil libertados
No primeiro semestre de 2004, essas operações de fiscalização libertaram 1051 pessoas. Nas ações, os fiscais constataram que os trabalhadores eram mantidos em situação semelhante a de trabalho escravo, em condições precárias de higiene, com alimentação inadequada, sem pagamento e com os documentos retidos.
Além de indiciados pelo Ministério Público, os integrantes da chamada "lista suja" do Ministério do Trabalho não terão acesso a financiamentos públicos de instituições financeiras estatais, como Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banco do Nordeste. Eles perdem também direito a benefícios fiscais e outros subsídios. Para sair da lista, os fazendeiros e empregadores precisam solicitar outra visita dos fiscais do Ministério do Trabalho para provar que não continuam mantendo trabalhadores escravos.
 
Agência Câmara

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos