Menu
LIMIT ACADEMIA
quarta, 23 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Comércio de areia em Dourados é 90% clandestino

18 Ago 2007 - 07h24

O Imam (Instituto do Meio Ambiente) de Dourados revela que 90% do comércio de areia atua na clandestinidade e os impactos ambientais causados pela extração irregular estão ficando cada vez mais agravantes. De acordo com o Instituto, muitas empresas contratadas para a limpeza de terrenos retiram a areia sem a permissão do proprietário.

Segundo o Imam, a partir da próxima segunda-feira, a fiscalização começa uma operação para desmantelar a ação criminosa. De acordo com o fiscal Divaldo Machado, as empresas clandestinas serão notificadas a retirarem a licença ambiental e aquelas que foram flagradas degradando o meio ambiente serão penalizadas com multas que variam de R$ 330 a R$ 1 milhão, dependendo do grau da infração.

Machado disse que as denúncias de crimes ambientais acerca do comércio de areia vem aumentando cada vez mais. "As empresas são contratadas para um tipo de serviço e acabam fazendo outro. Houve vários casos de furto de areia. Empresários sumiam com o produto deixando um vasto buraco na propriedade particular. Também registramos casos desta natureza em áreas de Preservação Permanante. Mata nativa e vegetação foram arrancadas, buracos por diversos pontos, desvios de rios, e assoreamento, são alguns dos resultados das ações criminosas", disse.

O fiscal ressalta que nem as rodovias escapam da ação. "O buraco deixado pela retirada de terra acaba servindo para o depósito irregular de lixo, que resulta também em várias outras conseqüências, como a proliferação do mosquito da dengue", acrescenta, informando que no mês de maio uma empresa fez a retirada de mais de 300 caminhões de areia de uma área particular e foi multada em R$ 6 mil.

No lugar da areia eram jogados entulhos, que cobertos de terra, escondiam o crime. Divaldo diz que esta atividade prejudica futuras construções. "As paredes de casas, por exemplo que foram construídas não agüentam e sedem, já que não há terra firme por baixo da obra", disse, explicando que a Lei Municipal nº 55, de 19 de dezembro de 2002, é proibido promover má utilização do solo efetuando a extração de jazidas minerais sem autorização.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PERSISTÊNCIA
Filho de faxineira e porteiro passa em medicina no Paraná
RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho