Menu
SADER_FULL
RIO_DOURADOS
Busca
SUCURI_MEGA
Brasil

Combustíveis deverão ter revisão quinzenal de preços em 2005

17 Dez 2004 - 14h26

Os preços da gasolina e do diesel vão encerrar o ano de 2004 equiparados com os preços do mercado internacional, e a tendência é que esses combustíveis tenham em 2005 a mesma metodologia de reajuste quinzenal adotada pela Petrobras para o querosene de aviação, o óleo combustível e a nafta, afirmou nessa sexta-feira o presidente da estatal, José Eduardo Dutra.

"Nosso preço não está maior que o do mercado internacional. Nem o diesel, nem a gasolina", disse o executivo.

Segundo Dutra, a Petrobras utiliza como parâmetro as cotações do barril de petróleo dos mercados abastecedores da empresa para definir os preços cobrados no mercado interno.

"O conceito de preço competitivo é pegar os diversos mercados que podem abastecer o Brasil, como Argentina, Nigéria e Golfo do México, e ver a que preço esse combustível poderia chegar ao Brasil. Esse é o critério que a Petrobras usa para ver se o preço está alinhado ou não. Não vamos polemizar com analistas", declarou o executivo.

  • Ele destacou ainda, que o volume de importações da companhia também não está aumentando e por isso os preços não estão pressionados.

    "O que eu posso dizer é que esse ano não vai ter mais aumento de gasolina", disse Dutra aos jornalistas.

    O executivo espera que, no futuro, ajustes nos preços dos combustíveis não sejam mais alvo de ataques de analistas e críticas de consumidores. A empresa pretende unificar a metodologia de reajuste de todos os combustíveis.

    Atualmente, os preços do querosene de aviação e do óleo combustível são mais flexíveis e avaliados quinzenalmente pela estatal, enquanto que o diesel e a gasolina não têm periodicidade de reajustes.

    "O ideal é que, no futuro, a gasolina e o diesel tenham a mesma regra do querosene de aviação e do óleo combustível", declarou o presidente da Petrobras, sem prever datas.

    Ele argumentou que, para implementar a uniformização de regras, é preciso que haja uma mudança de mentalidade no país.

    "A gente tem batido na tecla e continuará batendo que, a partir do momento que foi modificada a Lei do Petróleo e o mercado ficou aberto, os nossos preços vão levar em consideração os preços do mercado internacional", afirmou.

    "Como a empresa teve o monopólio durante mais de quarenta anos e como a Petrobras é dominante no mercado, a população tem dificuldade de compreender a lógica do petróleo como uma commodity. Isso vale para o café, para o aço, para soja", completou Dutra.

  •  

    Terra Redação

    Deixe seu Comentário

    Leia Também

    Acerto de Contas
    Mulher é assassinada e companheiro é poupado pelos bandidos
    Macabro
    Filho que escondeu corpo de pai pode ser indiciado por três crimes
    Novela
    'Deus salve o rei': Catarina (Bruna Marquezine) mata Constantino
    Novela Global
    'Outro lado': Gael luta contra violência doméstica no fim
    Monstro
    Câmera flagra irmão à procura de menina que teria sido abusada por prefeito de Bariri
    Perigo do Selfie
    Três garotas caem de ponte de 20 metros ao tirarem fotos em Castelo
    Campanha de filiações
    Prisão de Lula faz disparar filiações ao PT
    O Apocalipse
    Arthur (Junno Andrade) fala na TV que Ricardo (Sergio Marone) ressuscitou em seu velório
    BBB 18 - Vencedora
    Veja a casa de Gleici, do'BBB 18': Sister teve o pai assassinado pelo tráfico e passou fome
    Concurso Público
    Polícia Federal publica autorização para promover concurso público com 500 vagas