Menu
LIMIT ACADEMIA
quarta, 17 de outubro de 2018
SADER_FULL
Busca
SICREDI_FATIMA
Brasil

Colombianos fogem da guerrilha e vêm para o Brasil

29 Mar 2007 - 15h15

Oito por cento dos colombianos estão vivendo longe de casa por causa do conflito armado que atinge o país. Entre os que escolhem buscar abrigo em outra nação, o Brasil é, cada vez mais, uma opção de vida. Por causa da proximidade com a Colômbia, o estado do Amazonas recebe muitos desses estrangeiros.

 

Segundo a Organização das Nações Unidas, existem mais de três milhões de colombianos afastados de casa para fugir de áreas atingidas pelos conflitos armados e pela ação da guerrilha ligada ao narcotráfico. Uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (29) pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha mostra que, em 2006, aumentou em mais de 21% o número de pessoas atendidas pelo programa de assistência da entidade que cuida dos casos de deslocamento interno no país.

Os principais motivos para as fugas de regiões de conflito são as ameaças de morte e os confrontos armados. Também há muitos casos de pessoas que se recusam a colaborar com os guerrilheiros.

Por esses motivos, muitos colombianos buscam abrigo no Brasil. O Amazonas é um dos estados que recebe os refugiados. As famílias se instalam em pequenas cidades da fronteira ou vão para a capital. Os maiores desafios são encontrar trabalho e casa.

Oficialmente, o governo brasileiro afirma que existem 222 refugiados colombianos vivendo legalmente no Brasil. Mas o número é ainda maior porque muitos trazem as famílias e outros amigos que permanecem no país em situação irregular.

Para o colombiano Fred Ortiz, a mudança para o Brasil significa um recomeço. Ele foi vereador por três anos em Saravena, no Nordeste da Colômbia. Ortiz não cumpriu orientações das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), foi ameaçado de morte e foi obrigado a abandonar tudo. "Fui forçado, mas desde que cheguei aqui senti uma sensação de liberdade, de descanso."

Jean, o filho mais velho, ainda lembra dos dias de agonia. "Além do que a gente sofreu, também vimos muitos conhecidos que também tiveram prejuízos e tiveram familiares foram mortos. Por isso tomamos a decisão de vir pra cá."

 

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

CASO LETICIA
Adolescente morta a facadas contou a amigos que pai estuprou a tia na sua frente:'Tinha quatro anos'
MOTIVO FUTIL
Camera ajuda na indentificação de Homem que confessa ter matado mulher após falhar na "Hora H"
A CASA CAIU
Rapaz é agredido pelas sete namoradas que descobriram traição
SEGUNDO SOL
Beto confronta Karola: 'Você roubou a vida de outra mulher'
DEFICITÁRIAS
Correios fecham 02 agências no MS e 39 no país
VICENTINA - LEILÃO ELETRÔNICO
Justiça realizará leilão eletrônico de imóveis urbanos e trator de VICENTINA
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Conclusão do Comperj deve gerar 8 mil vagas em 2019
LUTO NO JORNALISMO
Morre Gil Gomes, jornalista policial, aos 78 anos, em São Paulo
SELEÇÃO BRASILEIRA
Brasil vence a Argentina com gol de Miranda nos acréscimos e conquista o Superclássico
HORARIO DE VERÃO
Início do horário de verão não será adiado, informa o Planalto